Autoridade Nacional vai investigar mais um mega vazamento de dados que envolveu até Bolsonaro

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) informou que vai investigar um novo vazamento de informações pessoais de mais de 100 milhões de brasileiros. Presidente Jair Bolsonaro está na lista de atingidos.

A empresa de cibersegurança Psafe divulgou nesta quarta-feira (10) que identificou que 103 milhões de contas de celulares de brasileiros foram vazadas, incluindo a de autoridades como o presidente Jair Bolsonaro. A massa de dados, que conta com CPFs, números de telefone, tipos de conta telefônica e minutos gastos em ligação, teria sido obtida a partir dos sistemas de duas operadoras de telefonia e disponibilizada à venda por R$ 12 mil.

Em nota, a ANPD informou que “está apurando tecnicamente as informações sobre o incidente envolvendo o vazamento de dados pessoais” e que “está tomando todas as providências cabíveis. Além disso, foram notificados outros órgãos, como a Polícia Federal, além da empresa Psafe e as operadoras de telefonia supostamente envolvidas no caso “para investigar e auxiliar na apuração e na adoção de medidas de contenção e de mitigação de riscos relacionados aos dados pessoais dos possíveis afetados”.

Terceiro mega vazamento

Este foi o terceiro mega vazamento conhecidos nos últimos meses. Desde 2019, outros dois vazamentos tornaram públicos os dados pessoais de 223 milhões de brasileiros, vivos e mortos.

O executivo da Psafe Marco de Mello demonstrou preocupação com a frequência e o tamanho dos vazamentos recentes:

"A magnitude é muito grande, o que isso indica em termos da repetitividade com que estão acontecendo estes vazamentos na internet escura e venda desse tipo de dados de brasileiros é realmente um padrão alarmante. E isso indica uma aceleração muito grande na sofisticação na organização desse mundo criminoso. Existe uma organização criminosa trabalhando na comercialização de dados roubados e dados obtidos ilicitamente" – indicou.