Empresa de Xuxa é acusada por ex-funcionária de trabalho análogo à escravidão

Uma ex-funcionária denunciou a Espaço Laser, empresa da qual a apresentadora Xuxa Meneghel é sócia, por suposto trabalho em condições análogas à escravidão em unidades em Belo Horizonte/MG. Empresa diz que está “apurando as informações”.

A fisioterapeuta Maria Beatriz Maya é quem faz a denúncia. Ela conta que sete profissionais foram contratadas em 2017 e tiveram que passar por um treinamento em São Paulo, onde ficaram hospedadas em apenas dois quartos, tendo algumas dormido no chão e outras sem cobertas. Além disso, a ex-funcionária contou que os patrões deixavam claro que elas eram “contratadas como fisioterapeuta subliminarmente”, e que, na verdade, atuavam como vendedoras.

À coluna ‘Gente’, do IG, Maria Beatriz descreveu as condições de trabalho:

"As fisioterapeutas da unidade Shopping Savassi tinham um processo de revezamento em que a gerente tinha que fazer a limpeza e a faxina, eu tinha que levar e catar lixo e na unidade do BH Shopping não tem encanamento de água. Eu, fisioterapeuta, era obrigada a ir no setor da faxina fora da clínica trazendo baldes de água para colocar na pia falsa e fazer a limpeza. As clínicas deles ficam em shoppings e não tem banheiros. Os banheiros ficam longe e as fisioterapeutas não podem ficar saindo e por isso ficam sem tomar água para não ir ao banheiro. A gerente do Shopping Savassi que tinha que fazer faxina à noite pediu demissão."

Segundo Maria, as profissionais não processavam a empresa “porque eles falavam que nós [funcionárias] nunca mais acharíamos emprego.” Ela conta que voltou a trabalhar temporariamente na empresa em 2020, mas saiu após 15 dias ao perceber que nada tinha mudado:

"Agora em 2020 eu voltei depois que eles me chamaram para o Shopping Boulevard. Fiquei 15 dias e não aguentei. Não cumprem os protocolos da Covid-19, o salário era R$ 2,3 mil e baixou para R$ 2,1 mil, mesmo valor que um gari ou técnico de enfermagem ganham" – disse a ex-funcionária.

Para Maria, “Xuxa fala da Espaço Laser pensando só no próprio lucro. Ela não liga se as pessoas estão sendo escravizadas lá dentro."

Resposta da Espaço Laser

Em nota, a Espaço Laser informou que “está apurando as informações recebidas e tomará as medidas necessárias para garantir seus rígidos protocolos de segurança e higiene, bem como as políticas para boas condições de trabalho em todas as suas unidades”. A empresa defende que reforça “o cumprimento rigoroso das leis trabalhistas vigentes” e conta com um programa de treinamento e capacitação.

“A Espaçolaser foi reconhecida em 2020 como uma das Melhores Empresas para a Mulher desempenhar sua atividade profissional, segundo a consultoria Great Place to Work – GPTW. No mesmo ano, a companhia lançou o projeto Mel Acolhe, um programa de apoio às suas colaboradoras vítimas de violência doméstica, através de um canal para apoio às mulheres.” – completa o comunicado.