Relatório da ONU aponta que Coreia do Norte usou hackers para roubar mais de US$ 300 milhões

Um relatório confidencial revelado pela imprensa sul-coreana nesta quarta-feira (10), aponta que a Coreia do Norte usou hackers para roubar mais de US$ 300 milhões - cerca de R$ 1,7 bilhão - em criptomoedas. O relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) indica que os valores foram usados para financiar o programa nuclear norte-coreano.

Os hackers teriam atacado sistemas de instituições financeiras e bolsas de valores entre 2019 e novembro de 2020. O valor total dos roubos chega a US$ 316,4 milhões. Segundo o relatório da ONU, em apenas uma das ações, em setembro do ano passado, foram roubados US$ 281 milhões.

"Uma análise inicial dos vetores utilizados para o ataque e os meios utilizados posteriormente para lavar a receita ilícita revela fortes vínculos com a República Popular Democrática da Coreia do Norte" – diz o relatório.

Conhecidos como “piratas norte-coreanos”, esses hackers teriam como motivação as sanções econômicas e comerciais impostas por outras nações, em especial os Estados Unidos, à Coreia do Norte. Há a suspeita de que eles tenham roubado outros US$ 81 milhões do Banco Central de Bangladesh, em 2016, e quase US$ 60 milhões do banco Far Earstern International, de Taiwan, em 2017.