Regras do bilhete único no Rio serão alteradas em caso de greve do BRT

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, determinou nesta segunda-feira (08) que o Bilhete Único Carioca será alterado em caso de nova paralisação do BRT. Em dias de greve, os passageiros poderão pegar até três ônibus comuns no intervalo de duas horas e meia pagando apenas uma passagem.

Hoje, o bilhete concede o benefício de pagar somente uma tarifa viajando em até duas conduções, entre ônibus comuns, BRT e VLT. O decreto, publicado no Diário Oficial do Município, ressalta que a interrupção da operação do BRT resulta em significativo prejuízo à regularidade da mobilidade urbana da cidade, e que, por isso, é necessário adequar as normas de utilização.

A empresa que gerencia o sistema de bilhetagem no município do Rio será a responsável por adotar as medidas de ajustes à medida emergencial “em tempo hábil” em eventual paralisação do BRT.

Motoristas recusam acordo

Também nesta segunda-feira, após reunião com o Sindicato dos Rodoviários do Rio, os motoristas do BRT recusaram um acordo proposto pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) que sugeria um sistema de rodízio. Na proposta, uma parte dos motoristas ficaria em casa durante uma semana, sem receber, enquanto outra parte trabalharia. O sistema de revezamento seria mantido por 30 dias.

Diante da falta de acordo, o Sindicato deve apresentar uma nova proposta aos motoristas prevendo cinco dias de rodízio ao longo do mês e um aumento no tíquete-refeição de R$ 360 para R$ 720. Há o temor de nova paralisação.