Polícia investiga se sogro furtou bens da nora durante o enterro dela

A Polícia Civil de São Paulo está investigando o furto dos bens de Érica Fernandes Alves Ceschini, torcedora do Palmeiras que foi morta pelo marido Leonardo Souza Ceschini, corintiano, após uma briga por futebol, no dia 31 de janeiro. A principal suspeita é de que o sogro da vítima tenha furtado seus bens durante o enterro.

O carro, duas TVs, um micro-ondas, eletrônicos e joias de Érica foram levados de sua casa enquanto seu corpo era velado, no último dia 1º de fevereiro. A família da vítima relatou em boletim de ocorrência que o pai do assassino teria sido o autor dos furtos. O celular de Érica e os documentos de seus dois filhos também teriam sido furtados pela advogada da família do marido.

Segundo familiares da vítima, o sogro teria confessado estar de posse dos bens, que não foram devolvidos até então. De acordo com Aline, irmã de Érica, o porteiro do prédio relatou que o pai do assassino foi ao imóvel da vítima acompanhado de outros parentes coletar os bens. Ela reclama da postura dos familiares de Leonardo e pede que tudo seja devolvido:

"Queremos que eles devolvam tudo, principalmente o celular de minha irmã, que chegaram a dizer que devolveriam à polícia, mas isso não foi feito. Parece, muitas vezes, que para eles minha irmã não foi assassinada, e sim está acontecendo apenas uma separação, onde os bens estão sendo divididos. Eles dizem que o que furtaram da casa 50% é do autor do crime."

O caso é investigado pelo 33º Distrito Policial, em Pirituba/SP, que também apura as circunstâncias do assassinato de Érica. Leonardo segue preso e a faca usada no crime foi apreendida.


Siga-nos