Prefeitura do Rio determina retorno de 40 linhas de ônibus que sumiram das ruas

A prefeitura do Rio de Janeiro enviou um ofício aos consórcios de empresas de ônibus que circulam no município determinando o retorno de 40 linhas que sumiram das ruas. As linhas foram dividias em dois grupos, que devem voltar entre março e abril.

A redução na circulação de carros de diversas linhas de ônibus na cidade do Rio é um problema antigo, mas foi agravado com a gravíssima crise dos transportes públicos durante a pandemia de Covid-19. Em 2020, três empresas do setor pediram abertura de processo de recuperação judicial, sendo elas a Expresso Pégaso, a Real e a Paranapuan.

Porém os usuários seguem reclamando da falta de ônibus que deveriam estar circulando. Por meio do sistema de GPS dos veículos, a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) identificou 40 linhas de alta e média prioridade que estão inoperantes e notificou os consórcios. Segundo a SMTR, as seguintes linhas deverão voltar às ruas:

Linhas com alta prioridade

Pela determinação, estas linhas devem retornar até o dia 30 de março:

- 007 (Silvestre-Central, circular)

- 010 (Fátima-Central, circular)

- 014 (Paula Matos-Castelo, circular)

- 303 (Rodoviária-Barra da Tijuca, via L. Amarela, circular)

- 342 (Jardim América-Castelo)

- 376 (Pavuna-Candelária, via Rua Mercúrio)

- 385 (Village Pavuna-Passeio, via Camboatá)

- 398 (Campo Grande-Tiradentes, via Av. Brasil)

- 448 (Maracaí-São Conrado, circular)

- 507 (Largo do Machado-Silvestre)

- 651 (Méier-Cascadura, via Arquias Cordeiro, circular)

- 693 (Méier-Alvorada, via Dias da Cruz e L. Amarela)

- 702 (Praça Seca-Madureira, circular)

- 773 (Cascadura-Pavuna, via Camboatá, circular).

- 778 (Cascadura-Pavuna, via Estrada de Botafogo, circular)

- 781 (Cascadura-Marechal Hermes, via Praça Seca, circular)

- 833 (Conjunto Manguariba-Campo Grande)

- 850 (Mendanha-Campo Grande)

- 870 (Sepetiba-Santa Cruz, circular)

- SE17 (Campo Grande-Santa Cruz, via Cesário de Melo)

Linhas com média prioridade

Pela determinação, estas linhas devem retornar até o dia 30 de abril:

- 213 (Muda-Candelária, circular)

- 217 (Andaraí-Carioca, circular)

- 277 (Rocha Miranda-Candelária, via São Cristóvão) circular

- 311 (Engenheiro Leal-Candelária, via Cavalcanti)

- 422 (Grajaú-Cosme Velho)

- 498 (Circular da Penha-Largo do Machado, via Sta. Bárbara)

- 517 (Gávea/PUC-Glória, via Fonte da Saudade, circular)

- 581 (Leblon-Cosme Velho, via Copacabana, Urca e Largo do Machado, circular)

- 652 (Méier-Cascadura, via Lins, circular)

- 782 (Cascadura-M. Hermes, via Rocha Miranda, circular)

- 813 (Manguariba-Santa Cruz, circular)

- 822 (Corcundinha-Campo Grande, via Vila Nova, circular)

- 823 (Campo Grande-Recreio, via Estrada do Pontal, circular)

- 825 (Campo Grande-Jesuítas, via Santa Cruz-circular)

- 855 (Bangu-Magarça, via Av. Santa Cruz, circular)

- 856 (Terminal Centro Olímpico-Taquara, via André Rocha)

- 891 (Sepetiba-Mato Alto, via Praia da Brisa, circular)

- 922 (Tubiacanga-Aeroporto Internacional, via Light, circular)

- 928 (M. Hermes-Ramos, circular)

- 963 (Sta. Maria-Taquara)

Comitê de monitoramento do BRT

A prefeitura do Rio informou que também vai criar um comitê executivo de gestão integrada do BRT. O grupo será integrado por representantes das secretarias municipais de Transportes, Ordem Pública, Conservação, Assistência Social e Especial de Políticas e Promoção da Mulher. Também farão parte as subprefeituras, CET-Rio e Comlurb. O objetivo é aumentar a capacidade de intervenção e priorizar ações conjuntas. O comitê executivo fará reuniões mensais para monitorar a situação operacional do BRT.