Rio recebe 17 pacientes com Covid-19 vindos do Amazonas Na noite de terça-feira (02), o Governo do Amazonas, junto ao Governo Federal, realizou a transferência de 17 pacientes com Covid-19 para o Rio de Janeiro/RJ, onde darão prosseguimento ao tratamento da doença. Com a transferência, chegou a 456 o total de pacientes contaminados com o vírus levados do Amazonas para outros Estados desde o dia 15 de janeiro.

O embarque dos amazonenses ocorreu por volta das 20h, na base da Força Aérea Brasileira (FAB), no Aeroporto Ponta Pelada, bairro Crespo, zona sul da capital. No total, foram transferidos 13 pacientes do sexo masculino e quatro pacientes do sexo feminino.

Dos pacientes transferidos nesta terça, 13 estavam internados em quatro unidades de saúde de Manaus: Hospital Platão Araújo, SPA Danilo Corrêa, SPA São Raimundo, SPA Zona Sul. Além deles, outros quatro pacientes estavam internados no Hospital Geral de Iranduba, a 27 quilômetros de Manaus, e foram conduzidos até a capital para a realização do procedimento.

Para realizar a viagem, os pacientes são avaliados pela equipe médica antes de saírem do hospital e antes do embarque. Os pacientes transferidos são selecionados atendendo a classificação de risco do protocolo de Manchester, adotado pelos médicos que atuam na Central Unificada de Regulação de Agendamento de Consultas e Exames (Cura).

O transporte aéreo tem sido realizado em aeronaves de uso militar, adaptadas com equipamentos que garantem a estabilidade e segurança dos pacientes, sob responsabilidade da FAB, que tem atuado na força-tarefa ao lado do Governo do Estado e Ministério da Saúde (MS), no enfrentamento da crise sanitária provocada pela Covid-19.

Entre os casos confirmados de Covid-19 no Amazonas, há 2.050 pacientes internados, sendo 1.344 em leitos (427 na rede privada e 917 na rede pública), 634 em UTI (294 na rede privada e 340 na rede pública) e 72 em sala vermelha, estrutura voltada à assistência temporária para estabilização de pacientes críticos/graves para posterior encaminhamento a outros pontos da rede de atenção à saúde.

Há ainda outros 568 pacientes internados considerados suspeitos e que aguardam a confirmação do diagnóstico.