Twitter censura site cristão sob acusação de homofobia O Twitter suspendeu a conta de um site cristão norte-americano depois que ele informou que um dos indicados do presidente Joe Biden é um homem que acredita ser mulher.

O site Daily Citizen, uma publicação do “Focus on the Family” de Colorado Springs, tuitou em 19 de janeiro que a indicada de Biden para secretária assistente de saúde, Rachel Levine, “é uma mulher transgênero, ou seja, um homem que acredita ser uma mulher”, junto com um link para um artigo sobre a indicação.

Como resultado, o gigante da mídia social bloqueou a conta do site, informando ao veículo que o tweet violava as regras do usuário do Twitter que proibiam “conduta odiosa”.


O Daily Citizen apelou da suspensão, mas foi informado que sua conta permanecerá bloqueada até que exclua o tweet.

O Twitter escreveu em um e-mail ao site que ele “não pode promover violência, ameaçar ou assediar outras pessoas com base em raça, etnia, nacionalidade, orientação sexual, gênero, identidade de gênero, afiliação religiosa, idade, deficiência ou doença grave.”

O Daily Citizen disse em sua resposta ao Twitter que vários meios de comunicação noticiaram a indicação e escreveram em seus artigos que Levine nasceu homem e continua sendo um homem que acredita ser mulher.

Levine passou por uma cirurgia estética eletiva e tomou hormônios do sexo cruzado na tentativa de se parecer fisicamente com uma mulher.


O site insistiu que nunca promoveu violência e rejeitou as alegações do Twitter de que violou suas regras.

“Acreditamos que o bloqueio deste tweet pelo Twitter e o bloqueio de nossa conta discriminam o Daily Citizen, da Focus on the Family, com base em nossa afiliação religiosa”.

Em novembro de 2018, o Twitter atualizou suas políticas para proibir os usuários de tweetar os nomes de nascimento de pessoas que se identificam como trans – que os ativistas transgêneros chamam de “nomeação de mortos” – ou de usar pronomes biologicamente precisos ao tuitar sobre pessoas que se identificam como trans.

Os defensores dos transgêneros chamam o uso de “ele” para descrever um homem que se identifica como mulher de “mau gênero”. Tanto nomear os mortos quanto errar os gêneros são semelhantes a “abuso” e “violência”, de acordo com transativistas.

Perfil
O presidente eleito Joe Biden indicou o doutor Rachel Levine para ser seu secretário adjunto de saúde. Ele entrou para a história como a primeira autoridade federal transgênero a ser confirmada pelo Senado dos Estados Unidos, de acordo com uma declaração feita no dia 19 de janeiro.

Levine foi secretário de saúde do estado da Pensilvânia e professor de pediatria e psiquiatria na Penn State College of Medicine. Ele também atuou como diretor médico do estado em 2015 e secretário adjunto de saúde em 2017. Levine foi confirmado como secretário de saúde do estado em 2018, sob a administração do governador democrata Tom Wolf.