Ida de Bruno Covas à final da Libertadores no Maracanã causa revolta nas redes sociais

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, deixou o Maracanã neste sábado (30) com duas derrotas: a do seu time do coração, o Santos, que perdeu o título ao ser derrotado pelo Palmeiras por 1-0, e a das redes sociais. Covas foi duramente criticado por ter comparecido ao estádio no Rio de Janeiro no mesmo dia em que todo o estado de São Paulo voltou a ter regras mais rígidas de funcionamento das atividades.



A palavra “hipócrita” associada ao nome do prefeito chegou a ser uma das mais citadas no Twitter. O comentarista econômico Samy Dana foi um dos que criticaram a atitude de Covas.



“São Paulo inteira está fechada, mas nosso prefeito foi para o Rio”, disse com uma foto que mostra Covas na arquibancada.



Neste final de semana, passou a vigorar uma nova política adotada pelo governo paulista, que coloca o estado de São Paulo na chamada "fase vermelha" do plano de reabertura, em que apenas serviços essenciais podem permanecer abertos. 



“Enquanto o Bruno Covas estava aglomerado assistindo a final da Libertadores no Rio, quantos donos e funcionários de bares, shoppings, restaurantes e pequenas lojas estavam proibidos de trabalhar pelo seu ganha pão em SP? Já fizeram a conta?”, tuitou Everton Sodario, prefeito de Mirandopolis/SP.



"Prefeito @brunocovas você é um hipócrita! A cidade de São Paulo está fechada graças a você e seu governador. Há meses não temos torcedores em estádios, mas, aí está você: numa arquibancada! Não estava em recuperação, Prefeito?", questionou o deputado estadual Gil Diniz.



A partida aconteceu sem público pagante. No entanto, estiveram presentes nas arquibancadas cerca de 5 mil pessoas, entre convidados dos organizadores e trabalhadores da partida. E o prefeito de São Paulo, licenciado para tratamento de câncer, estava na torcida usando a camisa listrada do Santos.



Questionada, a Prefeitura de São Paulo afirmou que a licença de Bruno Covas expira neste domingo (31).