PM do Rio e de São Paulo têm esquema especial contra aglomerações durante final da Libertadores

As Polícias Militares de São Paulo e do Rio de Janeiro se planejam para evitar aglomerações durante a final da Libertadores, amanhã (30), entre Palmeiras e Santos. Os dois órgãos de segurança pública traçaram estratégias para impedir que o isolamento social seja desrespeitado em meio a uma pandemia que já matou mais de 220 mil brasileiros. 

A PM do Rio de Janeiro contará com 500 agentes no entorno do estádio e intensificará as fiscalizações em pontos de concentração de torcidas na cidade, de acordo com nota oficial divulgada pelo órgão. Além disso, outros 50 policiais trabalharão dentro do estádio do Maracanã. 

Assim como tem acontecido nos outros campeonatos, a final da Libertadores será realizada com portões fechados. Por decreto, no entanto, ficou liberada a presença de pessoas credenciadas pela Conmebol, com limite de até 10% da capacidade do estádio, mesmo com o Estado tendo registrado mais de 560 mortes nos últimos três dias - mais de 29 mil pessoas já morreram no Rio de Janeiro desde o início da pandemia. O público está previsto em cerca de 5 mil pessoas. 

Em São Paulo, a PM irá trabalhar para evitar aglomerações em bares, praças públicas e no entorno dos dois clubes. 

TRANSMISSÃO PELA TV

O jogo entre Palmeiras e Santos está marcado para as 17h (de Brasília). O duelo contará com transmissão do SBT, do FOX Sports e da Conmebol TV. 

Na tentativa de vencer a concorrência, a Globo já anunciou inserções do quadro “Bigfone”do Big Brother no meio da programação, exatamente na hora do jogo, mais precisamente ao longo do programa Caldeirão do Huck.

A emissora de Silvio Santos publicou um vídeo bem-humorado onde um personagem desconecta o telefone de outro do fio. A Globo já havia apresentado insatisfação após o SBT chegar mais perto de transmitir o próximo Campeonato Carioca.