Farmacêutico pode pegar 10 anos de prisão após confessar ter danificado 570 vacinas nos EUA

O farmacêutico Steven Brandenburg, do estado americano do Wisconsin, está enfrentando um processo após ter confessado que danificou propositalmente 570 doses da vacina contra a Covid-19 do laboratório Moderna. A pena pode chegar a 10 anos de prisão.

A confissão foi confirmada pelo Departamento de Justiça do Distrito Leste de Wisconsin. De acordo com o relato de Steven, ele retirou da refrigeração,  nos dias 24 e 25 de dezembro, 57 frascos da vacina do laboratório americano Moderna, mesmo sabendo que o produto precisa estar armazenado a cerca de -20 ºC. Todos os frascos, contendo 10 doses individuais cada, ficaram inutilizáveis.

De acordo com o Departamento de Justiça, “Brandenburg é acusado por duas acusações de tentativa de adulteração de produtos de consumo, com descuido imprudente pelo risco de outra pessoa ser colocada em perigo de morte ou lesão corporal. Ele concordou em se declarar culpado das acusações, que pode levar a uma pena máxima de dez anos de prisão."

O procurador dos Estados Unidos no Distrito Leste de Wisconsin ressaltou que o Departamento de Justiça investigará todo e qualquer crime relacionado à vacinação, em especial aqueles cometidos por profissionais médicos. Procurador-geral adjunto em exercício da Divisão Civil do Departamento de Justiça, Brian Boynton também comentou o caso:

"A adulteração de doses de vacina em meio a uma crise de saúde global exige uma resposta forte, conforme refletido pelas graves acusações que os Estados Unidos trouxeram hoje" – disse.

Vacinação nos Estados Unidos

De acordo com o ‘Our World In Data’, Os Estados Unidos já administraram 23,54 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19, entre pessoas que já receberam duas ou apenas uma dose dos imunizantes. As vacinas utilizadas no país são as de RNA mensageiro, da Pfizer e da Moderna, que exigem armazenamento em freezers especiais.