Covid-19: mais de 42 mil pessoas já foram vacinadas na cidade do Rio de Janeiro O prefeito do Rio, Eduardo Paes, destacou que mais 50 novos leitos para o tratamento da Covid-19 foram abertos na rede hospitalar da cidade, nesta sexta-feira (22), durante a divulgação do 3º Boletim Epidemiológico, no Centro de Operações Rio, na Cidade Nova. Ele também celebrou a eficiência da campanha de vacinação feita pela Secretaria de Saúde, que colocou o município na liderança do ranking das cidades que mais vacinaram, com um total de 42.563 pessoas atendidas já imunizadas. Mas salientou a necessidade de os cuidados serem redobrados, principalmente agora em que todas as 33 regiões administrativas estão em risco alto.

 – No momento, temos três pessoas com mais de 24h de espera para receber um leito e na semana passada eram nove. Não custa lembrar que no início deste mês eram 150 pessoas com mais de 24h. Isso mostra que a estratégia adotada, com a concentração dos atendimentos no Hospital Ronaldo Gazolla, a abertura dos leitos e o fechamento do Hospital de Campanha, foi uma decisão acertada. Esperamos que novas doses da vacina cheguem para que possamos ampliar a primeira fase da vacinação partindo para os demais profissionais da saúde e a população em geral – afirmou o prefeito do Rio.

Embora a cidade toda esteja com risco alto de contaminação, o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, lembrou que, de acordo com o terceiro Boletim Epidemiológico, houve uma queda no número de pessoas internadas com Covid-19.

– A gente tem uma redução de 10% de pessoas internadas na cidade e tem ainda a abertura de 50 novos leitos, o que vai contribuir para reduzir a taxa de ocupação. Menos pessoas internadas e mais leitos, a gente vai ter uma taxa de ocupação menor. Agora, não é porque tem a menor fila de espera no momento que as pessoas podem abusar e se expor desnecessariamente. Fica a recomendação para que cumpram as regras em toda a cidade, para que a gente possa reduzir o número de pessoas internadas e de óbitos – disse Soranz. 

Novos leitos
Nesta semana, 50 novos leitos foram abertos para o tratamento da doença. São mais 10 leitos no hospital Souza Aguiar, 10 no Salgado Filho, 10 no hospital da Piedade e 20 no hospital Clementino Fraga Filho. Com isso, desde o dia 1º de janeiro, são 200 novos leitos na cidade. Outros 150 já tinham sido abertos – 130 no hospital Ronaldo Gazolla e 20 no Souza Aguiar. A meta é chegar a 343 novos leitos.

Mais de 42 mil vacinados até o momento
A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) vacinou até esta quinta-feira 42.563 pessoas dos grupos prioritários em 604 pontos de vacinação espalhados pela cidade, o que torna o Rio a cidade que mais vacinou no Brasil. Foram imunizados 35.130 profissionais de saúde, 6.624 idosos que vivem em asilos, 623 pessoas com deficiência institucionalizadas, 143 quilombolas e 43 indígenas aldeados.

O município recebeu 115.920 doses da vacina CoronaVac repassadas pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), de um total de 231 mil doses destinadas pelo Ministério da Saúde para a capital neste primeiro momento. O restante das doses dessa primeira remessa deverá ser entregue pelo estado ao município nos próximos dias, e a SMS aguarda que o Ministério da Saúde envie novos lotes para abrir as próximas etapas da campanha de vacinação, voltadas aos demais grupos prioritários definidos pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI).

A campanha de vacinação continua, neste primeiro momento, voltada para:

1) trabalhadores de saúde que atendem diretamente a pacientes com Covid-19;
2) profissionais da Atenção Primária envolvidos na campanha de vacinação;
3) considerando a necessidade de retorno às atividades – recompondo a força de trabalho nos hospitais da rede – também os profissionais de saúde que atuam em CTI, urgência e emergência e que estavam afastados por idade ou comorbidade;
4) idosos e deficientes que vivem em instituições de longa permanência e os profissionais que trabalham nesses locais;
5) grupos indígenas e quilombolas.

A prefeitura destaca que, apesar de a vacinação ter começado, os cuidados e as medidas de proteção à vida devem continuar sendo observados pela população. É imprescindível que as pessoas continuem a usar máscaras, a higienizar as mãos com água e sabão ou com álcool em gel a 70% e a manter o distanciamento social de pelo menos dois metros.


Desde o início da pandemia, a cidade do Rio registrou 182.713 casos de Covid-19, com 16.543 mortes.