Polícia Federal prende 4 hackers que teriam invadido celular de Sergio Moro

A Polícia Federal cumpriu nesta terça-feira (23) quatro mandados de prisão temporária e sete de busca e apreensão cujos alvos são suspeitos de envolvimento na invasão de celulares do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. As prisões e buscas são de supostos hackers ou de pessoas que teriam atuado em conjunto com eles.



Os mandados foram executados nas cidades de São Paulo, Araraquara e Ribeirão Preto. A autorização para as buscas e prisões foi dada pelo juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal, em Brasília.



O operação batizada “Spoofing” tem como objetivo "desarticular organização criminosa que praticava crimes cibernéticos", segundo a PF. Há a suspeita de que a invasão do celular do ministro tenha sido planejada.



Os supostos diálogos entre Moro e procuradores da Lava Jato que vêm sendo divulgados pelo site The Intercept Brasil teriam sido obtidos através de invasões hackers.



A Polícia Federal já instaurou quatro inquéritos para investigar o vazamento de mensagens do celular do ministro da Justiça.



A PF também deverá abrir investigação para apurar suposta invasão do celular do ministro da Economia, Paulo Guedes.



Leia a nota da Polícia Federal:



A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje (23/07), a Operação spoofing* com o objetivo de desarticular organização criminosa que praticava crimes cibernéticos.



Foram cumpridas onze ordens judiciais, sendo sete Mandados de Busca e Apreensão e quatro Mandados de Prisão Temporária, nas cidades de São Paulo/SP, Araraquara/SP e Ribeirão Preto/SP.



As investigações seguem para que sejam apuradas todas as circunstâncias dos crimes praticados.



As informações se restringem às divulgadas na presente nota.



*Spoofing é um tipo de falsificação tecnológica que procura enganar uma rede ou uma pessoa fazendo-a acreditar que a fonte de uma informação é confiável quando, na realidade, não é.