Cedae retoma operação do Sistema Guandu após 10 horas de manutenção

A Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos) retomou na manhã desta sexta-feira (22) a operação de produção de água do Sistema Guandu, que ficou suspensa por 10 horas. A medida foi tomada depois que moradores de diversos bairros do Rio e de cidades da Baixada Fluminense notaram alteração no cheiro e no gosto da água.

Os moradores das Zonas Norte e Oeste do Rio e da Baixada Fluminense reclamaram bastante da condição da água que chegava nas torneiras nesta quinta (21). Alguns estavam sem abastecimento. A Cedae informou, então, que precisou interromper a operação da Estação de Tratamento do Guandu (ETA Guandu) em função de novas análises da contagem de algas na lagoa próxima à região.

A operação foi retomada às 6h desta sexta, mas a Cedae informou que o abastecimento pode ser afetado por até 48 horas. A companhia também disse que imóveis com cisterna ou caixa d’água não devem ficar sem água e que montou um esquema especial para atender hospitais e outros serviços essenciais.

Problemas em 2020

No começo de 2020, a população fluminense já havia enfrentado água com cheiro, gosto e aparência ruins, no que ficou conhecido como a “Crise da Geosmina”. Mas, na verdade, o que causou a condição irregular da água foi o 2-MIB, outro composto orgânico.

Já no fim do ano, um reparo na Elevatória do Lameirão afetou o abastecimento de água para os bairros do Rio e de cidades da Baixada por quase 40 dias, entre novembro e dezembro.