Fiscais da prefeitura do Rio interrompem culto à noite na praia; durante o dia houve aglomerações

No feriado de quarta-feira (20) no município do Rio de Janeiro as praias ficaram lotadas. Do Leme ao Pontal, uma multidão disputava um pedaço na faixa de areia sem se preocupar com o distanciamento social ou o uso de máscara. A prefeitura, que prometeu ser mais rigorosa na fiscalização de aglomerações para evitar novas infecções por coronavírus, nada pode fazer. Mas na noite anterior, na Praia do Recreio, bem na altura do Posto 11, um culto que acontecia nas areias foi encerrado pelos fiscais da prefeitura. Também houve blitz em festas e casas de shows.

Dentro da sequência de ações contra a Covid-19 iniciadas no fim de semana, a Prefeitura do Rio esteve, da noite de terça (dia 19) para a madrugada desta quarta (20), em áreas do Leblon, na Zona Sul, e da Barra da Tijuca e Recreio do Bandeirantes, na Zona Oeste. Como resultado, o estabelecimento Espaço Malibu, no Itanhangá, foi interditado por realizar o evento “Vibelândia”; um culto religioso que acontecia nas areias da praia do Recreio (altura do Posto 11) foi encerrado; e nove estabelecimentos foram notificados por infração sanitária – a maioria por servir clientes em pé. A operação continuou na quarta-feira em pontos da cidade, incluindo a área de lazer do Aterro do Flamengo.

Balanço geral

Desde a noite da última sexta (15), os comboios integrados pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop) para fiscalizar as medidas de proteção à vida já passaram por 22 bairros, resultando em 138 inspeções em estabelecimentos, 33 infrações sanitárias e oito interdições – sendo sete de eventos clandestinos em casas de festas, que teriam um público total estimado de mais de 4 mil participantes. Os comboios contam com equipes da Seop, Defesa Civil, Instituto de Vigilância Sanitária e Guarda Municipal, e apoio da Polícia Militar em alguns casos.

Festas clandestinas

Além da “Vibelândia”, agentes da Seop em apoio à 17ª DP (São Cristóvão) desmontaram na tarde de terça (19), um evento anunciado  para acontecer em quadra de esportes no Tuiuti. Na véspera, dia 18, as equipes interditaram o Boteco Capadócia, em Marechal Hermes, onde aconteceria – sem autorização e alvará – show com roda de samba, sendo autuado em R$ 3.093,32. No fim de semana (dias 16 e 17) foram interrompidos os eventos “Sambinha do Sheik 40º graus”, na casa “Bora Bora”, em Campo Grande; “Ilha Sunset”, na Ilha do Ipê, na região da Gigoia, na Barra; “Churrasco Abençoado”, em Bangu; e “Xoxo”, também na região da Gigoia. Na noite de sexta (15), guardas municipais encerraram encontro gospel realizado nas areias da praia da Barra da Tijuca.

– Sem prejuízo das ações de conscientização, a Prefeitura do Rio não vai abrir mão de impedir eventos que contrariam as medidas de proteção à vida que estão em vigor. Esse trabalho é preventivo, para salvar vidas. Mas é fundamental a colaboração de todos os cidadãos para reduzir os índices de vítimas da Covid-19 – declarou o secretário municipal de Ordem Pública, Brenno Carnevale.

As equipes da Prefeitura percorreram, desde o início da operação, áreas comerciais de 22 bairros: Méier, Tijuca, Vila Isabel, Leblon, Ipanema, Copacabana, Botafogo, Bangu, Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Lapa, Ilha do Governador, Lagoa, Largo do Machado, Aterro do Flamengo (área de lazer), Vila da Penha, Vista Alegre, Gávea, Marechal Hermes, Urca, São Cristóvão e Campo Grande.