Binden diz que vai manter proibição de entrada de brasileiros nos EUA O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou categoricamente que não irá revogar as restrições de entrada no país para viajantes do Brasil, da Europa e do Reino Unido. A decisão contraria a determinação do atual presidente, Donald Trump, que nesta segunda-feira (18) havia anunciado a suspensão destas restrições, impostas pela pandemia de Covid-19.

“Sob conselho de nossa equipe médica, o governo (Biden) não planeja revogar estas restrições em 26 de janeiro. Na verdade, planejamos reforçar as medidas de saúde pública em viagens internacionais para mitigar ainda mais a disseminação da Covid-19”, disse a futura porta-voz de Biden, no Twitter, Jen Psaki.

O fim da restrição, anunciado hoje pelo governo Trump, começaria em 26 de janeiro, seis dias após a posse de Joe Biden, que acontece nesta quarta-feira (20).

“Com a pandemia se agravando, e com variantes mais contagiosas surgindo ao redor do mundo, este não é o momento de suspender as restrições às viagens internacionais”, acrescentou a porta-voz.

As proibições de embarque foram impostas em 2020 para tentar frear a pandemia em solo americano. Recentemente, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA passou a exigir um teste negativo de Covid-19 para passageiros de voos internacionais. A medida passa a valer a partir do dia 26 de janeiro. Até o momento, os EUA são o país mais afetado pela pandemia, com mais de 24 milhões de contágios e quase 400 mil mortes por Covid-19.

Siga-nos