Amazonas pede ajuda para transferir 60 bebês prematuros

O Amazonas está pedindo ajuda a outros estados brasileiros para transferir mais de 60 bebês prematuros. Os recém nascidos estão em Manaus e podem ficar sem acesso a oxigênio.

A informação foi confirmada por Carlos Lula, secretário de Saúde do Maranhão e presidente do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde). As autoridades amazonenses pediram às outras secretarias para que chequem se há leitos de internação neonatal em seus estados.

De acordo com Carlos Lula, o Maranhão poderá receber de cinco a 10 bebês, mas ainda não está definida a logística que possibilitaria o transporte.

Colapso do sistema

Desde o início da pandemia, infectologistas apontam que os impactos da Covid-19 vão além da infecção pelo coronavírus. A lotação e o colapso do sistema de saúde podem deixar sem atendimento os pacientes de outras enfermidades e demais necessidades.

Corrupção na Saúde do Amazonas

Em agosto de 2020, a Operação Sangria, deflagrada pela Polícia Federal (PF), prendeu a então secretária de Saúde do estado do Amazonas, Simone Papaiz, acusada de envolvimento em fraudes e desvios na compra de respiradores, sem licitação, de uma empresa importadora de vinhos. Simone foi solta dias depois. O governador do estado, Wilson Lima (PSC), também foi alvo da operação. A PF bloqueou valores do governador e pediu sua prisão, que foi negada pelo Superior Tribunal de Justiça.