Rio usará escolas e sistema drive-thru em vacinação contra a Covid-19

A vacinação contra a Covid-19 está perto de se tornar realidade no Brasil, já que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decide no domingo (17) se libera o uso de 8 milhões de doses, entre vacinas do Instituto Butantan e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Nesse cenário, a prefeitura do Rio de Janeiro já acerta os últimos detalhes da estratégia de imunização.

Distribuir a vacina será um grande desafio logístico. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde do Rio (SMS-RJ), o plano de imunização na cidade vai envolver a utilização de mais de 450 pontos de vacinação, distribuídos em clínicas da família, unidades municipais de saúde e escolas. O sistema drive-thru deve ser adotado no início, já que o público-alvo será o de maior risco de adoecer.

Mas antes as doses precisarão ser armazenadas na Central de Logística da Secretaria Municipal de Saúde. A prefeitura informou que ainda finaliza o planejamento para a logística de transporte dos imunizantes para os pontos de vacinação.

Segundo a secretaria, mais de 10,5 mil profissionais serão envolvidos nos esforços para operacionalizar a vacinação na cidade.

Data de início

O Rio vai seguir o Plano Nacional de Imunizações (PNI), que não prevê uma data certa para começar a vacinação contra a Covid-19. Mas tudo indica que isso deve ocorrer entre os dias 20 e 21 de janeiro. Se a Anvisa liberar as vacinas do Butantan e da Fiocruz no domingo, o Ministério da Saúde prevê um prazo de três ou quatro dias para que as doses cheguem a todas as capitais. O início da vacinação, então, seria imediato.