Ministério da Saúde espera iniciar programa de vacinação na próxima semana

O governo Bolsonaro espera iniciar o Programa Nacional de Imunizações contra a Covid-19 na semana que vem. Para agilizar o processo, envia nesta quinta-feira (14) um avião à Índia para buscar 2 milhões de doses da vacina do laboratório AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford e com a Fundação Oswaldo Cruz no Brasil. O avião sai do aeroporto de Viracopos, em Campinas/SP, e estará de volta ao Brasil no sábado (16). 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária vai se reunir no domingo para bater o martelo sobre os pedidos de registro emergencial das vacinas da Fiocruz e do Instituto Butantan, que já tem seis milhões de doses prontas para o uso imediato. Esta será a primeira vez que uma reunião da diretoria colegiada da Agência acontecerá em um domingo. A previsão é que a reunião comece às 10h e dure pelo menos cinco horas. As discussões poderão ser acompanhadas online. Sendo concedidas as licenças, a imunização deverá começar com cerca de oito milhões de doses. 

Em pronunciamento nesta quarta-feira (13), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, rebate críticas sobre possível demora do Brasil para iniciar a vacinação e garantiu que o país vai manter a tradição de nação que mais vacina no mundo.

“Nós imunizamos 300 milhões de doses por ano. Vamos fazer igual com a vacina da Covid-19, o resto é apenas pressão política, pressão partidária e pressão por interesses particulares. Não saímos do nosso rumo em nenhum minuto.”

A estimativa é que, com aprovação da Anvisa, os imunizantes comecem a ser distribuídos na segunda-feira para os estados e municípios, que devem iniciar a vacinação contra a Covid-19 de forma simultânea. Entretanto, como as vacinas estão armazenadas em São Paulo e no Rio de Janeiro, há quem defenda que a vacinação comece logo nessas duas capitais. O secretário executivo do ministério da saúde, Élcio Franco descartou a possibilidade. 

“Como você se sentiria se você morasse no Acre e no Rio Grande do Norte e, por não ter uma planta de um fabricante como a Fiocruz e o Butantan, e a vacina demorasse uma semana ou mais para chegar ao seu estado ou cidade. Essa é a mensagem que deixar: todos serão imunizados e ninguém é mais importante que outrem”, disse. Ele admite, no entanto, que, dentro dos estados, alguns municípios vão começar a vacinar antes que outros.

Ainda nesta quinta-feira (14), o ministro Eduardo Pazuello tem encontro em Brasília com prefeitos e secretários municipais de saúde para discutir a logística da imunização. A reunião com os governadores, marcada para terça-feira (19), deve ser antecipada. 

 


Siga-nos