Onda de calor na Europa e nos EUA alerta para aquecimento global

Uma nova onda de calor vai atingir a Europa nesta semana. A previsão é de que termômetros ultrapassem a marca dos 40°C em vários pontos da França, inclusive em Paris. Se confirmadas, essas seriam as maiores temperaturas registradas na capital francesa desde 1947.



O governo francês recomenda à população que tome precauções: beber muita água, evitar fazer esporte intenso e se manter afastado do sol.



“Tentamos fugir do calor nas piscinas públicas da cidade. Sempre andamos nas ruas com uma garrafa d´água e evitamos ficar muito tempo fora na rua. O cuidado com as crianças é ainda maior, por conta da facilidade de desidratação”, diz o brasileiro Gerson, missionário em Paris.



O forte calor aumenta o risco de queimadas no continente, como a que atinge Portugal. As chamas já deixaram 20 feridos na região de Castelo Branco, incluindo 8 bombeiros e 12 civis.



Nos Estados Unidos as altas temperaturas já causaram 6 mortes. Muitas pessoas tiveram de ser deslocadas para espaços com ar-condicionado, como bibliotecas ou centros comerciais. Vários eventos ao ar livre foram cancelados neste fim de semana.



Os termômetros, que marcaram 38°C em Nova York e em Washington, começaram a baixar nesta segunda-feira (22) com a chegada de uma frente fria, enquanto que, do outro lado do Atlântico, as temperaturas começavam a subir. Os sinais de alerta sobre o aquecimento global se multiplicam em 2019.



O mês de junho foi o mais quente já registrado em todo mundo, particularmente pela canícula que sufocou a Europa no mês passado, segundo dados do serviço europeu sobre mudança climática Copernicus.



Há uma semana o termômetro alcançou 21°C em Alert, o lugar habitado mais ao norte do planeta, a menos de 900 quilômetros do Polo Norte, um recorde para essa localidade.