Flordelis terá documentário feito por produtora dos EUA Uma equipe de filmagens dos Estados Unidos acompanha há uma semana o dia a dia da pastora e deputada federal Flordelis. Atualmente, há seis projetos em andamento para registrar a biografia de Flordelis, porém este é o único com a participação direta da parlamentar.

O documentário ainda não tem data e local de exibição. As filmagens devem ser negociadas com plataformas de streaming e distribuidoras após serem concluídas. O documentário deve ser feito no estilo da série criminal, "American Crime Story", que em sua primeira edição falou sobre a história de O.J Simpson, personalidade do futebol americano que em 1994 foi acusado do assassinato de sua ex-mulher Nicole Brown e de seu amigo Ronald Goldman. Ele foi absolvido após um longo julgamento de mais de 300 dias. Na segunda temporada, o programa abordou o assassinato do estilista italiano Gianni Versace.

Acusada de matar o marido, o pastor Anderson do Carmo, em junho de 2019, Flordelis já tem sinalizado que deseja que sua vida tenha repercussão internacional. Em novembro de 2020, ela gravou vídeos com legendas em inglês em sua página no Facebook. No vídeo, ela pede que alguma ONG internacional a ajude a “comprovar sua inocência”.

Quem possui uma ONG que presta este exato tipo de ajuda é a socialite americana Kim Kardashian, que possui uma organização nos EUA que revê casos de condenação de pessoas presas há anos sem provas contundentes. O pai de Kim Kardashian inclusive foi o advogado de defesa de O.J Simpson.

Flordelis - Basta uma palavra pra mudar

Em 2009, a vida de Flordelis foi retratada em um filme com elenco de nomes como Bruna Marquezine, Cauã Reymond e Reynaldo Gianechinni. Mas na época o foco era o projeto humanitário da pastora que decidiu acolher mais de 50 crianças.

O filme “Flordelis - Basta uma palavra pra mudar” mistura cenas de ficção com depoimentos interpretados pelos atores, na pele dos filhos adotivos da protagonista. Flordelis é retratada como uma mãe amorosa, dedicada ao trabalho humanitário de afastar crianças e adolescentes das drogas e do crime.

No entanto, as investigações sobre a morte do pastor Anderson mostraram que a deputada tratava os mais de 50 filhos de forma diferente, dando vantagens aos primeiros a serem adotados, e os manipulava para que seu nome não fosse envolvido na morte de Anderson.

"A investigação demonstrou que toda aquela imagem altruísta e de decência era apenas um enredo para alcançar a posição financeira e política", disse o delegado Allan Duarte, da Delegacia de Homicídios de Niterói.

Anderson do Carmo assina a produção executiva e também aparece como personagem do filme do diretor Marco Antonio Ferraz.