Nova fábrica da Fiocruz no Rio deve gerar 5 mil vagas de emprego na construção civil

A construção da fábrica da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro, chamada Complexo Industrial de Biotecnologia em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz, deve gerar 5 mil empregos, no setor da construção civil.

Além dos novos postos que serão gerados na construção do edifício, 1.500 empregos podem ser criados por meio de instalações abrangentes para a produção de vacinas e medicamentos. Este será o maior centro de produção de imunizações da América Latina.

A conclusão da unidade está prevista para 2023. No mês passado, em evento que contou com a presença do governador do Rio em exercício, Cláudio Castro, foi assinado o contrato definitivo do terreno, com a presença do Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e Nísia Trindade Lima, presidente da Fiocruz.

A construção terá uma área de 580 mil metros quadrados. O terreno foi fornecido pela Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro (Codin). Haverá nove edifícios, incluindo processamento, embalagem, armazenamento de matérias-primas e produtos finais, controle de qualidade e garantia de qualidade e centros de tratamento de resíduos e águas residuais. Todas as vacinas da Fiocruz serão produzidas no local.

A capacidade de produção está estimada em 120 milhões de frascos de vacinas e biofármacos/ano e poderá ser ampliada dependendo do regime de operação a ser adotado. Em doses, a capacidade irá variar conforme o mix de produtos. Hoje a Bio-Manguinhos fornece vacinas com as apresentações de 1 dose, 5 doses e 10 doses/frasco, e a ampliação da capacidade produtiva no CIBS também representa a possibilidade de incorporação de novas apresentações. 

Fábio Galvão, presidente da Codin, disse que “A Fiocruz vai se instalar em um distrito industrial onde há toda uma perspectiva de novas produções de fármacos e vacinas, e também vai atrair a cadeia produtiva, com a necessidade de insumos e equipamentos. Então, além da questão da pandemia e da saúde pública, que é o nosso foco, também teremos geração de emprego e renda para a população fluminense”.