CoronaVac tem 78% de eficácia contra a Covid-19 e previne 100% de casos graves

O Instituto Butantan anunciou no início da tarde desta quinta-feira (07) que a CoronaVac tem 78% de eficácia contra a Covid-19 e previne 100% dos casos graves da doença. Os dados dos testes da fase 3 da vacina, que é desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, foram divulgados agora pouco em coletiva de imprensa promovida pelo Governo do Estado de São Paulo.

O estudo com mais de 12 mil voluntários brasileiros apontou que a CoronaVac preveniu 78% dos casos leves e do atendimento ambulatorial por Covid-19, além de ter evitado 100% de internações, casos moderados, casos graves e mortes pela doença.

A eficácia de 78% é inferior às novas vacinas de RNA mensageiro da Pfizer e da Moderna, que passaram de 90%. As vacinas de RNA usam tecnologia recente e são apontadas como as principais apostas para o futuro. Por outro lado, 78% de eficácia é superior aos 70% médios da vacina de Oxford/AstraZeneca, outra que será produzida no Brasil. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a exigência mínima de 50% de eficácia para a aprovação.

Produção nacional e vacinação em massa

O Instituto Butantan infomrou que vai enviar à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), até esta sexta-feira (08), o pedido para a aprovação do uso emergencial da CoronaVac. A Agência prevê um prazo de dez dias para dar a resposta.

O imunizante será produzido pelo Instituto em solo nacional e existe a projeção de uma produção de até 1 milhão de doses por dia. Aplicada em duas doses, a CoronaVac é considerada adequada à vacinação em massa em grandes populações, como é o caso do Brasil. A vacina é barata e de fácil armazenamento e distribuição.

A CoronaVac faz parte do plano de vacinação do estado de São Paulo, marcado para começar no próximo dia 25. Em pronunciamento na noite desta quarta (06), ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informou que o Butantan vai fornecer 100 milhões de doses ao longo de 2021 para o Programa Nacional de Imunizações.