Diretor da Moderna diz que vacina da farmacêutica pode proteger contra a Covid-19 “por alguns anos”

O registro de casos de reinfecção pela Covid-19 tem levantado questionamentos sobre a capacidade de proteção das vacinas contra a doença por longos períodos de tempo. Com menos de um ano do início dos testes dos imunizantes, os cientistas ainda não têm a resposta definitiva para essa pergunta, mas para o diretor da farmacêutica Moderna a proteção pode ser bastante duradoura.

O CEO do laboratório, Stephane Bancel, afirmou crer que o imunizante desenvolvido pela companhia – com 94,1% de eficácia contra a Covid-19 – pode proteger “por alguns anos”:

“O cenário de pesadelo descrito na mídia há alguns meses, com vacinas funcionando por apenas um mês ou dois está, na minha visão, fora de cogitação. O decaimento dos anticorpos gerados a partir da vacina em humanos ocorre de forma bem devagar. Acreditamos que haverá proteção por alguns anos, potencialmente.” – disse Bancel.

Fase 4 de testes

Segundo especialistas, só o tempo poderá responder definitivamente a essa dúvida. O processo de acompanhamento dos vacinados por meses ou até anos é a chamada fase 4 de testes das vacinas, que ocorre já após a aprovação. O objetivo é justamente acompanhar a duração da proteção e o registro de possíveis efeitos adversos graves raros.

Outro ponto importante é o surgimento de novas linhagens do coronavírus Sars-cov-2, que poderia “escapar” das vacinas. Ainda de acordo com especialistas, é esperado que isso ocorra após a vacinação em massa, que “forçará” o vírus a se adaptar. A partir desse momento, é provável que a vacina contra a Covid-19 tenha de ser atualizada periodicamente, como acontece todo ano com o imunizante contra a gripe.