Bolsonaro se manifesta sobre ataque ao Capitólio que deixou quatro mortos O Congresso dos Estados Unidos certificou na madrugada desta quinta-feira (07) a vitória de Joe Biden na eleição presidencial realizada em 2020. O que era para ser mera formalidade acabou se transformando em um dia violento depois que cidadãos invadiram o Capitólio para contestar o resultado da eleição. Durante os protestos, quatro pessoas foram mortas, 52 presas e 14 policiais feridos, informou o chefe da polícia de Washington, Robert Contee.


No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro reforçou que continua ao lado de Donald Trump e reiterou o discurso de que houve fraude nas eleições de 2018. “Muita denúncia de fraude. A minha foi fraudada. Eu tenho indícios de fraude na minha eleição, era para ter ganho no primeiro turno. Ninguém reclamou que foi votar no 13 e a máquina não respondia. O contrário, quem ia votar 17, ou não funcionava ou aparecia o 13”, alegou.

Em nota, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, disse que “as cenas, uma tentativa clara de insurreição e de desprezo ao resultado das eleições por parte de um grupo, são inaceitáveis em qualquer democracia e merecem repúdio e a desaprovação de todos os líderes com espirito público e responsabilidade”. Pelo Twitter, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, publicou que “a invasão do Congresso norte-americano por extremistas representa um ato de desespero de uma corrente antidemocrática que perdeu as eleições”.

Já o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, classificou o ato como uma ameaça à democracia. Para ele, apoiadores do fascismo mostraram sua verdadeira face antidemocrática e truculenta.