Entidades divulgam nota contrária à vacinação de Covid-19 em clínicas particulares

Já se tornou polêmico o anúncio da Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC) de que as clínicas particulares associadas estão buscando a compra de 5 milhões de doses de uma vacina indiana contra a Covid-19.

Embora a vacina do laboratório Bharat Biotech esteja no radar do Ministério da Saúde, o presidente da ABCVAC, Geraldo Barbosa garantiu que as doses fornecidas seriam um excedente, e que a medida não prejudicaria o Plano Nacional de Vacinação. Mesmo assim, pelo menos 15 entidades nacionais ligadas à saúde, entre elas o Conselho Nacional de Saúde (CNS), divulgaram nota contrária à vacinação de Covid-19 na rede particular.

A nota defende que a o acesso a todas as doses das vacinas contra a Covid seja feito pelo Sistema Único de Saúde (SUS), de forma gratuita, e respeitando a igualdade de acesso de acordo com os grupos prioritários do Programa Nacional de Imunização (PNI).

“Devido à magnitude desta campanha de vacinação que tem como meta cobrir toda a população e a limitação da oferta de vacinas no mercado internacional, países como o Brasil têm definido um modelo de prioridades para sua implementação com base em critérios epidemiológicos e de vulnerabilidade social. Somente o SUS, por intermédio do PNI, poderá garantir a vacinação de toda a população brasileira com base nesses critérios.”, defendem as entidades na nota.

As entidades afirmam, ainda, que a falta de controle do poder público pode levar a uma aplicação incompleta da vacina, quando a pessoa não vai tomar a segunda dose, por exemplo. Segundo os especialistas, essa ação pode diminuir não só a eficácia das vacinas para o indivíduo, mas também prolongar a circulação do vírus na população e mitigar a capacidade de dar um fim definitivo à pandemia.