Morre segunda vítima de atropelamento causado pelo jogador Marcinho A professora Maria Cristina José Soares, de 66 anos, vítima do atropelamento causado pelo lateral direito Marcinho, morreu na noite de hoje (5). Ela estava internada em um hospital particular, no Rio de Janeiro, recuperando-se de uma cirurgia realizada no último domingo (03).

O acidente aconteceu na noite do dia 30, na Avenida Lúcio Costa, no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio. O também professor Alexandre Silva de Lima, marido de Maria Cristina, morreu no local da batida. O casal saía da praia, onde havia colocado flores para Iemanjá, na véspera do réveillon, segundo parentes.

Eles atravessavam a Avenida Lúcio Costa, quando foram atingidos pelo carro que era dirigido por Marcinho, ex-lateral do Botafogo. O jogador fugiu sem prestar socorro e se apresentou ontem (04) à 42ª Delegacia de Polícia, que investiga o caso, para prestar depoimento.

O atleta confessou que dirigia o veículo registrado em nome da empresa no qual seu pai é sócio. Questionado sobre o motivo de não ter socorrido as vítimas, Marcinho disse que teve medo de ser linchado por populares.

À polícia, Marcinho garantiu que estava dentro do limite de velocidade, sóbrio e que o casal teria aparecido de forma repentina na frente dele, sem que houvesse tempo de evitar a colisão. Testemunhas ouvidas pelos investigadores, porém, contestaram a versão do jogador e garantem que ele estava "costurando no trânsito em alta velocidade".

Uma das três testemunhas afirma que Marcinho passou de novo por cima de uma das vítimas ao tentar fugir do local e que o jogador poderia ter pedido ajuda para a polícia, mas fugiu.