Caminhoneiros não entram em consenso sobre greve A Folha de S. Paulo informa que cerca de 2 mil caminhoneiros vêm participando de pelo menos 15 grupos de WhatsApp recém-criados para discutir uma nova paralisação da categoria. O movimento estaria sendo organizado para a próxima segunda-feira, dia 22. Entretanto, a paralisação não é consenso entre os caminhoneiros. Parte do grupo é refratária à ideia em função das dificuldades financeiras geradas pelos dias sem trabalhar.

Ontem (19), o presidente Jair Bolsonaro disse que o governo está “fazendo o possível para atender os caminhoneiros”.

“Reconhecemos a dificuldade na carreira e estamos prontos para continuar conversando, mas estamos em um país livre e democrático em que impera o livre mercado. Lei da oferta e da procura. Greve atrapalha o Brasil como um todo”, afirmou o presidente.

Diante da possibilidade da nova paralisação dos caminhoneiros, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, vai receber na próxima semana, em Brasília, lideranças da classe dos caminhoneiros. O objetivo é discutir, entre outros pontos, a nova tabela de preços mínimos do frete rodoviário, que causou insatisfação entre os motoristas.