STJ coloca Crivella em prisão domiciliar O presidente do Superior Tribunal de Justiça, Humberto Martins, determinou que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, seja transferido do presídio para a prisão domiciliar. Crivella terá de usar tornozeleira eletrônica. Para o presidente do STJ, a prisão preventiva estava adequada para a situação, mas não houve a devida fundamentação para determinar o regime fechado.Na decisão, Martins também citou a pandemia de Covid-19.

Crivella foi preso na manhã de hoje (22) por determinação da desembargadora Rosa Helena Penna Macedo Guita, da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. 

A prisão do prefeito e de outros investigados foi realizada em ação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e da Polícia Civil, e ocorreram no desdobramento da Operação Hades, que apura corrupção na prefeitura da cidade e tem como base a delação do doleiro Sergio Mizrahy.

Ao chegar à Cidade da Polícia, o então prefeito atribuiu a sua prisão a uma perseguição política. “Perseguição política. Lutei contra o pedágio ilegal e injusto, tirei recursos do carnaval, negociei com o VLT. Foi o governo que mais atuou contra a corrupção no Rio de Janeiro”, afirmou.