Mulher é  obrigada a beber pesticida depois que marido descobriu que ela estava lendo a Bíblia Um muçulmano no leste de Uganda, que disse que o Alcorão permite que os homens batam em suas esposas se elas os desobedecem, bateu em sua esposa de 38 anos, que é mãe de três filhos, e a forçou a beber pesticida depois de encontrar duas Bíblias em sua mala, de acordo com um relatório.

O homem, identificado como Umar Kyakulaga da aldeia Matovu do distrito de Bugiri em Uganda, perguntou à esposa, Zubeda Nabirye, se ela havia se convertido ao cristianismo, e Nabirye respondeu que estava lendo a Bíblia para compará-la com o que está escrito no Alcorão, de acordo com Morning Star News , uma organização sem fins lucrativos sobre perseguição cristã global.

A mulher tinha duas Bíblias, uma em inglês e outra na língua tribal.

“Fui condenada e decidi abraçar o cristianismo”, disse Nabirye ao marido. “Meu marido começou a ler versículos do Alcorão que permitiam que os homens batessem em suas esposas se elas os desobedecessem, e depois disso ele começou a me bater com tapas e pauladas.”

“Como se isso não bastasse, ele me forçou a tomar Dithane M-45,” um pesticida tóxico.

Ela tentou não engolir o pesticida, mas ingeriu enquanto ele tentava estrangulá-la e batia em sua perna com varas, acrescentou ela, descrevendo o incidente de 21 de novembro.

Os vizinhos disseram que a encontraram gemendo perto de uma bananeira, e Nabirye “tinha acabado de recuperar a consciência, mas com vômito e sangue por todo o corpo”.

Nabirye, que colocou sua fé em Cristo em 21 de agosto, recebeu alta do hospital em 2 de dezembro e, desde então, está hospedada com uma família cristã em um local não revelado.

A mulher está preocupada com seus filhos - de 16, 13 e 9 anos - que estão sob os cuidados de sua sogra. “Eu sei que será muito difícil para mim vê-los e me reunir com eles”, disse ela.

Em Uganda, os cristãos são a maioria da população, mas a população muçulmana parece estar crescendo. Embora os dados do censo de 2014 afirmem que 13,7% da população de Uganda é muçulmana, os líderes muçulmanos afirmam que os muçulmanos representam uma parcela maior da população nacional.