Aprendendo na dificuldade

Nós temos hoje dois vírus. O primeiro é o vírus dessa gripe, dessa pneumonia, o coronavírus. Mas nós temos um segundo vírus, o vírus do medo. Eu não sei quem mata mais.

Uma pessoa com medo ela não se desafia. Uma pessoa com medo, não sonha. Uma pessoa com medo, se abate. Uma pessoa com medo, ela tem menos resistências imunológicas. Uma pessoa com medo, ela entra em depressão. E aí não morre do vírus, mas morre de medo.

Hoje nós precisamos ouvir a frase do Senhor. Não tema, não tema. Deus está conosco. E quero te falar uma coisa, no meio dessa luta toda que a gente está vivendo com o coronavírus, nós estamos aprendendo muita coisa. Nós estamos aprendendo coisas demais. Uma delas é que o nosso ritmo de vida pode ser mais calmo, pode ser mais lento. Está todo mundo em casa agora para não ficar contaminado.

Por que a gente fica na rua trabalhando? Lutando? O tempo inteiro agindo? Por que precisávamos sair para comer fora tantas vezes? Por que a gente não podia ter uma vida um pouco mais tranquila, mais caseira? Essa é uma lição que a gente tá aprendendo agora.

Nós não temos domínio de tudo. Acorde! O seu dinheiro, sua família, seus bens, seus diplomas não garantem o seu futuro. Mas tem mais uma coisa interessante que eu estou aprendendo. É que a gente é mais fraco do que a gente imagina. Como a gente é fraco, fraco mesmo. Um belo dia está forte, um belo dia está animado, um belo dia está empreendendo, está sonhando. No dia seguinte tem um monte de gente que está dentro de casa. Dentro de casa desesperado, está dentro de casa em depressão. No outro dia tem um monte de gente lá no hospital.

E o coronavírus não pegou só gente que não tem dinheiro. Pegou em gente famosa, pegou em gente rica, pegou em empresário, pegou em líder do governo, pegou em influencer digital. Pegou em tudo. Pegou em líder de nação.

Infelizmente nós somos mais frágeis do que imaginávamos. Eu não estou querendo dizer com isso que não há nenhuma grandeza em nós. Que não há nenhuma coisa bela em nós. Que nós não temos dons, talentos, habilidades. Temos! Mas nada disso garante o nosso sucesso.

E aí eu percebo uma outra coisa. Percebo que a gente precisa mais de Deus do que a gente imagina. A gente às vezes não busca a Deus na intensidade devida, porque a gente acha assim. “Ah, minha vida está sob controle. Se uma hora apertar a coisa, eu busco a Deus de novo.” No fundo, no fundo é isso que a gente faz. Só procuramos a Deus, quando a peteca cai. Só quando a coisa está feia. Mas quando está tudo bem, dinheiro no bolso, saúde, a família está bem, aí a gente relaxa.

É assim que é o ser humano, infelizmente. Por isso as dores, por isso as lutas para nos ensinar o caminho para Deus. Ele é o melhor caminho. E o caminho do retorno para a graça, para a misericórdia, para a paz, só Deus pode dar.


s