Bahia afasta Índio Ramírez, acusado de racismo por Gerson, do Flamengo

O Bahia afastou o meia Juan ‘Índio’ Ramirez, acusado de racismo pelo também meia Gerson, do Flamengo. A ofensa racial teria acontecido nesse domingo (20), em jogo entre os dois clubes pelo Campeonato Brasileiro, no Maracanã. Segundo Gerson, em uma discussão, Ramírez teria dito a ele "cala a boca, negro".

Em nota publicada em seu site oficial, o Bahia destacou que, embora o atleta Ramirez negue “veementemente” a acusação, o clube entende que é fundamental que a voz da vítima seja preponderante:

“O Esporte Clube Bahia vem a público se manifestar sobre a denúncia de racismo feita pelo atleta Gerson, do Flamengo, ocorrida na noite deste domingo (20). / O atleta Indio Ramírez nega veementemente a acusação e a ele está sendo dada a oportunidade de se defender de algo tão grave. / O clube entende, porém, que é indispensável, imprescindível e fundamental que a voz da vítima seja preponderante em casos desta natureza. / Assim, decidiu afastar imediatamente o jogador das atividades da equipe até a conclusão da apuração. / O presidente Guilherme Bellintani ligou para Gerson a fim de prestar solidariedade.”

O tricolor baiano já havia demitido, na noite de ontem, o técnico Mano Menezes pelos maus resultados do ‘esquadrão’ nas últimas partidas. O treinador também foi acusado de ser conivente com a ofensa, tendo classificado como ‘malandragem’ a acusação feita por Gerson ainda durante a partida.

Apuração

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) solicitou ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) “a abertura imediata de uma investigação sobre a denúncia de racismo” feita por Gerson, em entrevista pós-jogo ao Premiere. Já o vice-presidente da Procuradoria gera do Flamengo, Rodrigo Dunshee, afirmou que “além de apoiar o Gerson na esfera criminal, o Flamengo representará ao STJD contra o atleta que ofendeu racialmente o Gerson”.