Fumaça de incêndios florestais pode transmitir doenças infecciosas, aponta estudo

A fumaça de incêndios florestais poderia transmitir doenças infecciosas. É o que sugere um estudo conduzido pela Universidade de Idaho, nos Estados Unidos, que apontou que microrganismos do solo causadores de doenças poderiam ser transferidos dessa maneira.

Um dos dados analisados pelos responsáveis pelo estudo é do Centro de Controles de Doença dos Estados Unidos (CDC), que afirmou que os bombeiros que atuam em incêndios florestais são expostos ao risco de desenvolverem a Febre do Vale, doença causada por um fungo que vai para o ar quando o solo sofre “distúrbios”.

Em uma amostra do ar posterior a um incêndio os pesquisadores encontraram 900 tipos diferentes de bactérias e 100 de fungos que não estava no ambiente antes do fogo. A grande questão agora para os cientistas é saber qual o tamanho da ameaça que esses seres representam:

“Nós descobrimos um número de micróbios que são comumente conhecidos por causar condições respiratórias, coisas que podem desencadear a asma, por exemplo.” – contou a Dra. Leda Kobziar, da Universidade de Idaho.

Os cientistas também querem investigar se os microrganismos são capazes de sobreviver a uma viagem de longa distância pelo ar:

“Quando infecções são detectadas em pacientes, o potencial agente causador é baseado em o que se sabe ser endêmico daquela região. Entretanto, a fumaça pode ser carregada para diferentes regiões. Pode ser que muitos casos de infecções sem agente causador determinado tenham ocorrido devido ao transporte de micróbios pela fumaça para fora das áreas onde são naturalmente endêmicos.” – explicou a Dra. Kobziar.