Ladrão rouba carro de pastor, se arrepende e confessa estar afastado de Deus “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça.” (1João 1.9). Talvez João Marcos Landmann esteja precisando ler este versículo agora, em sua busca de perdão por ter cometido um crime.

O rapaz, de 28 anos, foi preso na quinta-feira (17) pela Polícia Civil do Estado de Goiás. Ele está sendo investigado por assaltar à mão armada um pastor. O crime teria ocorrido no dia 15 de novembro, em Goiânia.

João Marcos teria roubado o carro e mais dois celulares de um pastor, na porta da igreja, após um culto. Sua mulher teria ido até o religioso com um dos celulares e uma carta assinada pelo ladrão, e endereçada ao pastor.

Na carta, o João Marcos pede perdão, diz que está "perdido" e que "não é uma má pessoa”. Ele também deu a localização exata de onde o veículo roubado se encontrava “sem nenhum arranhão”. O veículo realmente foi localizado e devolvido ao pastor.

"Quero que saiba que estou muito arrependido e ferido com o que fiz. Eu não sou uma pessoa ruim, eu estava muito bêbado e drogado. Não que isso justifique meus atos, queria poder nunca ter feito isso, mas a verdade é que em algum momento em minha vida eu me afastei de Deus", alegou o investigado.

“Eu ando meio perdido, não sei o que fazer. Aprendi na Bíblia que o perdão salva a alma, por isso eu imploro que o senhor e sua família me perdoem, por favor", continuou.

A prisão ocorreu na tarde de ontem, em um imóvel localizado no conjunto Vera Cruz. Policiais da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículo deram cumprimento ao mandado de prisão preventiva expedido pela Justiça contra o investigado.

Segundo a polícia, o homem usava tornozeleira eletrônica havia dois meses e rompeu o dispositivo após o roubo do veículo do pastor. João responde na Justiça por outro roubo com utilização de arma de fogo, ocorrido em junho de 2019.

A polícia informou que a pena pelos crimes que João Marcos foi indiciado é de mais de dez anos de reclusão.

Siga-nos