Flordelis admite que sabia de plano para matar pastor Anderson, mas nega ser a mandante

Em mais uma audiência, nesta sexta-feira (18), do processo que julga o assassinato do pastor Anderson do Carmo, a deputada federal Flordelis admitiu que sabia da existência de um plano para matar seu marido, o pastor Anderson Carmo, mas negou que tivesse sido a mandante.

Segundo Flordelis, um de seus filhos adotivos, Lucas dos Santos, lhe mostrou uma mensagem enviada do próprio celular da deputada contendo um pedido para que ele matasse o pastor Anderson. Flordelis alegou que a mensagem tivesse sido enviada por uma de suas filhas afetivas, Marzy, que estaria descontente por ser castigada após ser acusada de roubar dinheiro da casa.

Em depoimento anterior, Marzy admitiu ter enviado a mensagem, mas afirmou que o fez a pedido da mãe. 

“A primeira pessoa que mostrou essa mensagem ao meu marido fui eu. Pedi para ir a uma delegacia. Ele sentou comigo e falou que ele resolveria, pois não queria exposição com o nome dele.” – disse a deputada, que negou participação no assassinato de Anderson:

“Matar meu marido seria destruir minha própria vida. Depois de Deus e de minha mãe, ele era a pessoa mais importante da minha vida. Matá-lo foi quebrar minhas pernas, meus braços. Quem fez isso, quero que seja encontrado. Faço um apelo ao Ministério Público. Que encontre os culpados. Não mataram só meu marido. Parte de mim também morre” – alegou.

Quinta audiência do caso

Antes do depoimento no Fórum de Niterói, Flordelis rezou. A deputada federal, apontada pelas investigações como mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, é ouvida na quinta audiência do caso. Também dará depoimento nesta sexta-feira um dos filhos adotivos do casal, Lucas dos Santos.