Brasil deve ter 24 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 em janeiro, diz ministro

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta quinta-feira, em sessão remota no Senado Federal, que a previsão é que o Brasil receba 24 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 já no mês de janeiro de 2021.

Segundo o ministro, essas doses virão de três fabricantes diferentes. Está prevista a chegada de 500 mil doses da vacina da Pfizer/BioNTech; 9 milhões de doses da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan; e 15 milhões da vacina de Oxford/AstraZeneca, produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Ainda segundo Pazuello, essa primeira leva seria entregue ao SUS (Sistema Único de Saúde) na segunda metade do mês de janeiro. Depois, o país teria mais 37,7 milhões de doses em fevereiro e 31 milhões em março:

"Se nós aprofundarmos esses números estamos falando de 500 mil doses da Pfizer em janeiro, 9 milhões de doses do Butantan em janeiro, e 15 milhões de doses da AstraZeneca em janeiro. a data exata é o mês de janeiro [...] isso tudo dependendo do registro da Anvisa. Se somarmos esses números, vamos ter 24,7 milhões de doses em janeiro. Isso é daqui a 30 dias, janeiro aqui eu falo meio de janeiro. Não são seis meses. Em fevereiro, repete-se a Pfizer, aumenta o Butantan pra 22 milhões e mantém a AstraZeneca 15,2 milhões, vai pra 37,7 milhões de doses. E em março 31 milhões de doses.” – confirmou o ministro.

Vacinação cinco dias após aprovação da Anvisa

O Plano Nacional de Operacionalização da Imunização contra a Covid-19, anunciado oficialmente nessa quarta-feira (16) não estipula uma data específica para o início da vacinação contra a Covid-19 no Brasil. Entretanto, a previsão do Ministério da Saúde é de que isso aconteça em no máximo cinco dias após a aprovação de algum dos imunizantes pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

O Instituto Butantan, que já começou a produção da CoronaVac, anunciou que vai entregar à Anvisa o pedido de registro da vacina no dia 23 de dezembro. A Pfizer entregou ontem (16) à agência os dados dos testes de fase 3 de sua vacina, em mais uma etapa que aproxima o imunizante da aprovação. Nesse cenário, janeiro de 2021 poderia realmente marcar o início da vacinação contra a Covid-19 no Brasil.