Vídeo: como celular que caiu de avião “resistiu” à queda e foi resgatado pelo dono

Nesta segunda-feira (14) viralizou o caso ambientalista e documentarista Ernesto Galiotto, que deixou seu celular cair de um avião que sobrevoava a Praia do Peró, em Cabo Frio, Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

A situação seria inusitada só por isso, mas o mais impressionante é que Galiotto conseguiu resgatar o aparelho praticamente intacto em solo horas depois, apenas com a película protetora triscada. Como isso foi possível.

O celular caiu por 15 segundos, de uma altura de 300 metros e registrou toda a queda. Segundo especialistas, a resistência do ar teria sido o primeiro fator a ajudar a “popular” a vida do aparelho.

Ainda que a gravidade atue “puxando” objetos para o centro da Terra, a massa de ar exerce uma resistência, limitando a velocidade da queda. Pense em um objeto afundando lentamente na água. Assim como a água, o ar é um fluido que oferece resistência, com menor intensidade, é verdade.

Outro fator que contribui para o resgate do celular foi a vegetação de restinga onde ele “pousou”. O aparelho atingiu uma superfície de areia – ainda assim rígida – e pode ter amortecido antes em alguma vegetação. Os materiais usados na fabricação do celular, segundo especialistas, também contribuíram para sua resistência.

Já quanto a localização do aparelho não há muito mistério. O GPS (Sistema de Posicionamento Global) do celular permitiu que o dono o localizasse e compartilhasse o final feliz – e sortudo – da história desse resgate.