Justiça italiana confirma 9 anos de prisão a Robinho por violência sexual

A Justiça da Itália confirmou nesta quinta-feira a condenação em segunda instância de Robinho a nove anos de prisão por violência sexual de grupo contra uma mulher albanesa, em 2013. Ricardo Falco, amigo do jogador, também teve condenação confirmada. Acusados negam e defesas vão recorrer.

A condenação e a pena por estupro do jogador Robinho foram mantidas pela Corte de Apelação de Milão, que acusa o jogador de ter cometido crime de estupro coletivo a uma jovem albanesa, de 23 anos na época, que não tinha condições psíquicas de consentir ao ato sexual por estar alcoolizada. Na época do caso, que teria ocorrido em uma casa noturna em Milão, na Itália o atleta atuava pelo Milan/ITA.

Segundo o procurador do Ministério Público italiano, Cuno Tarfusser, “os fatos são indiscutíveis”: "uma investigação bem feita, de modo sério, com uma sentença de primeiro grau correta. Profissionalmente, estou muito satisfeito, principalmente pela vítima".

Para a defesa de Robinho, é impossível provar que os acusados cometeram ato sexual sem consentimento ou que a vítima estivesse impossibilitada de consentir. Os advogados vão recorrer à Corte de Cassação da Itália, equivalente ao Superior Tribunal Federal (STF) no Brasil. Até lá, Robinho, que nega as acusações, não pode ser considerado culpado pela justiça italiana.