MEC desiste de retomar aulas em instituições federais em janeiro

Após repercussão negativa, o Ministério da Educação vai revogar a portaria publicada nesta quarta-feira (02) que determinava o retorno das aulas das universidades federais, institutos federais e faculdades particulares a partir de janeiro. Em entrevista à CNN, o ministro da educação, Milton Ribeiro, afirmou que será realizada uma consulta pública com o setor acadêmico antes de novas decisões serem publicadas.

"Quero abrir uma consulta pública para ouvir o mundo acadêmico. As escolas não estavam preparadas, faltava planejamento", afirmou.

O ministro disse também que o governo vai liberar o retorno somente quando as instituições estiverem confiantes. A portaria entraria em vigor em 4 de janeiro de 2021 e determinava que recursos digitais poderiam ser utilizados na educação somente em caráter excepcional e complementar para a integralização da carga horária das atividades pedagógicas enquanto durar a pandemia do novo coronavírus.

Em nota, a União Nacional dos Estudantes (UNE), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e a Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG) chegaram a dizer que a portaria é uma "atitude irresponsável, equivocada e que atenta contra a vida do povo brasileiro."

"A retomada de atividades presenciais significaria uma verdadeira migração de milhões de estudantes, que em grande parte se encontram em regiões e/ou municípios distantes de seu local de estudo. Somado à circulação cotidiana em ambientes fechados nos campi e prédios das universidades, os riscos de contaminação e proliferação do vírus são altíssimos", afirmou o texto.

A volta às atividades presenciais colocará em circulação mais de 2,3 milhões de pessoas, entre alunos, professores e técnicos, segundo dados do próprio MEC.


Siga-nos