Prisioneiros fazem vaquinha para financiar educação de jovem negro na Califórnia/EUA

Prisioneiros da Prisão Estadual de Soledad, no estado da Califórnia, fizeram uma vaquinha para financiar a educação de um jovem negro, que conseguiu se graduar em uma das melhores escolas particulares da região. Os internos fazem parte de um clube do livro junto com alunos da Escola de Palma, que fica em Salina, também no estado, segundo a CNN.

O grupo de prisioneiros em reabilitação, apelidado de “irmãos em azul” devido a seu uniforme, estava tão grato pelos encontros e a possibilidade de aprender e se desenvolver pessoalmente que solicitaram ao colégio uma forma de retribuir:

“Eles disseram ‘nós valorizamos a vinda de vocês e gostaríamos de fazer algo pela escola. Vocês podem encontrar um estudante no campus que precise de dinheiro para estudar na Palma?” – contou o professor de Inglês e Teologia, Jim Michelleti.

Um ex-interno da prisão resumiu o sentimento dos irmãos em azul em ajudar: “Apesar das escolhas ruins que as pessoas fizeram, a maioria queria fazer parte de alguma coisa boa. O pessoal estava ansioso por isso.” – revelou Jason Bryant.

Foi então que conheceram o jovem Sy Green. Seus pais reservaram dinheiro durante a vida para pagar uma boa educação a partir do ensino médio para o garoto, após uma experiência ruim em uma escola pública com histórico de disputas de gangs, drogas e brigas.

O jovem chegou a estudar durante seis meses na Escola de Palma, mas a família começou a enfrentar problemas financeiros depois que o pai, Frank Green, precisou passar por uma cirurgia cardíaca e perdeu o emprego. Mas os homens em azul estavam lá para levantar cerca de US$ 30 mil a partir do pouco que ganham trabalhando na unidade prisional para pagar as mensalidades não só do ensino médio, mas também criar um fundo para a faculdade.

Hoje, Sy Green participa junto com a família do clube de leitura na prisão e se disse inspirado a dar seu melhor todos os dias na faculdade. Ele se formou em Palma, com a presença de alguns ex-detentos, e agora joga basquete e estuda Transmissão Esportiva na Academia de Arte da Universidade de São Francisco.

“É simplesmente a única coisa certa a se fazer [se esforçar ao máximo]. Muito além da bolsa de estudos, os ensinamentos que eles me passaram... essa é a melhor coisa. Eles definitivamente levam meu futuro a sério e genuinamente se importam comigo como pessoa” – disse o jovem.