Dezembro pode marcar início da vacinação em massa contra Covid-19 no Ocidente

No dia 10 de dezembro, o Órgão de Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) se reunirá para aprovar ou não o uso emergencial no país da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela Pfizer e BioNTech. Se aprovada, a vacinação pode começar já no dia seguinte. A situação é similar a da Moderna e de Oxford/AstraZeneca, veja:

Vacina da Pfizer

Seriam as primeiras vacinas aprovadas para a Covid-19, em um tempo recorde inferior a um ano desde o sequenciamento genético do Sars-cov-2, em janeiro de 2020. O imunizante da Pfizer foi o primeiro a divulgar dados de eficácia, que chegou a 95% nos testes da fase 3. Dia 10 estará à prova no FDA.

Ainda em dezembro, mas sem uma data definida, a vacina da Pfizer será avaliada pela Agência Europeia de Medicamentos. Enquanto isso, a Alemanha já planeja vacinar 450 mil pessoas de grupos de risco com o imunizante até o fim do mês, se aprovado. Assim como o Reino Unido, que, apesar de responder também à Agência Europeia, pode aprovar emergencialmente a vacina em sua própria agência reguladora e começar a receber as doses já a partir do dia 07 de dezembro, antes dos demais países do bloco.

A Pfizer também busca aprovação e acordos de distribuição a partir de 2021 com outros países, inclusive o Brasil.

Vacina de Oxford 

A Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde já analisa também o pedido de aprovação da vacina da Universidade de Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca. A substância mostrou eficácias em teste que variaram de 62% a 90%, e passará por mais avaliações, mas pode ser aprovada ainda neste por lá.

Este é o imunizante mais próximo do Brasil, que já tem acordo para compra e transferência de tecnologia de distribuição a partir do início de 2021. A vacinação está prevista para começar em março do ano que vem.

Vacina da Moderna

Outra vacina que pode ser aprovada ainda em dezembro é a da Moderna, que apresentou 94% de eficácia em resultados finais da fase 3 dos estudos. A empresa já está entrando com o pedido de aprovação para uso emergencial nos EUA ao FDA, que avaliará os documentos no próximo dia 17. Ao todo, a Moderna deve entregar 20 milhões de doses ao governo americano ainda em dezembro.

O Brasil não tem acordo direto com a Moderna, mas pode receber algumas doses para grupos altamente prioritários no próximo ano, por meio da Covax, coalizão pela vacina de iniciativa da Organização Mundial da Saúde (OMS).