Jogadora se recusa a homenagear Maradona e recebe ameaças de morte O fim de semana foi marcado por homenagens ao ex-jogador Diego Maradona, morto na última quarta-feira (25), aos 60 anos, após uma parada respiratório. Entre as homenagens, chamou à atenção o minuto de silêncio feito antes da partida entre os times do Viajes Interrías e do Deportivo La Coruña, que disputam a segunda divisão do Campeonato Espanhol Feminino. Isso porque uma das jogadoras se recusou a homenagear o craque argentino, sentando-se de costas no gramado.

Paula Dapena, de 24 anos, jogadora do Viajes Interrías, afirmou, ainda, que ficou sabendo do tributo apenas quando já estava em campo e que, apesar de ninguém ter seguido seu gesto, recebeu apoio de colegas e do treinador adversário.

“Há poucos dias lutamos contra a violência de gênero e esses gestos não foram feitos. Não guardaram minuto de silêncio para as vítimas, e não estou disposta a fazer para um agressor”, disse Paula referindo-se às supostas agressões cometidas por Maradona contra ex-mulheres.

A jogadora parece não perdoar o passado de Maradona de envolvimento com drogas. Em 2017, o argentino chegou a declarar que passou a usar drogas aos 24 anos, quando começou a jogar no Barcelona.

“Não se pode perdoá-lo por todas as atrocidades que cometeu fora de campo. Para ser jogadora, tenho que ser a primeira pessoa com valores além das habilidades que ele tinha, que sabemos serem qualidades e dons espetaculares no futebol”, disse a jogadora.

Após o jogo em que o time de Paula perdeu por 10 a 0, houve uma onda de reações nas redes sociais. Paula recebeu muitas mensagens de apoio, mas também críticas e até ameaças de morte.