Testemunhas relatam rituais, maus tratos e automutilação em casa de Flordelis Filho afetivo da deputada Flordelis , Wagner Andrade Pimenta, conhecido como Misael , descreveu, durante audiência que acontece na sexta-feira (27) , rituais que eram feitos na casa da parlamentar. Questionado pelo advogado da deputada, Misael negou que fossem rituais satânicos, mas afirmou que aquilo "não era normal no meio evangélico".

“Ela pegava nomes de pessoas que queria que se aproximassem da família e fazia a preparação. Tinha mel, açúcar e alguidar. Havia orações, pedidos para Deus, mas aquilo não era normal no meio evangélico ", explicou Misael, detalhando que os rituais ocorriam desde a época em que a família morava na favela do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio.

Ele pediu para prestar depoimento sem a presença de todos os réus, incluindo Flordelis . Ele afirmou que se sentia intimidado e citou a convivência de mais de 30 anos na casa.

A mudança de nomes também era algo comum na família com cerca de 50 filhos adotivos.

Ele relatou como passou a ser chamado de Misael e citou outros filhos que também mudaram de nome.

"Ela falava que era um anjo enviado de Deus. Disse que o Wagner tinha morrido e que o filho espiritual dela tinha nascido, o Misael", relatou.

Wagner também confirmou que Anderson já se relacionou com Simone dos Santos, filha biológica de Flordelis, quando ambos ainda eram adolescentes. Simone também é acusada de matar o pastor.

Sobre o início do relacionamento entre Anderson e Flordelis, Misael afirmou que foi "da noite para o dia".

Gritos entre juíza e advogado
O depoimento de Misael, que durou pouco mais de duas horas, foi marcado por desavenças entre o advogado Anderson Rollemberg, que defende Flordelis, e a juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce.

"Doutor, o senhor está tumultuado o processo. Faça a pergunta corretamente", disse a magistrada.

"Estou tentando trabalhar, Excelência. Estou tentando", rebateu o advogado.

Maus tratos
As testemunhas ouvidas na audiência desta sexta também disseram que alguns filhos do casal Flordelis e Anderson do Carmo estão passando fome. Disseram ainda que uma filha de 15 anos chegou a se cortar devido ao clima de opressão na família.

Uma das pessoas ouvidas foi Regiane Campos, ex-patroa de Lucas Cézar dos Santos — filho adotivo de Flordelis e um dos acusados do assassinato. Ela afirmou que a automutilação ocorreu há cerca de duas semanas. Segundo ela, a adolescente feriu o próprio braço com um estilete após ter sido chamada de lixo por Flordelis.

Outros seis filhos estariam sofrendo maus-tratos, segundo a testemunha. Eles estariam passando até fome. A juíza Nearis dos Santos vai enviar o depoimento de Regiane para a Vara da Infância e Juventude e para o Conselho Tutelar.