Drogas: o adversário que Maradona enfrentou por 36 anos

No dia em que o mundo é argentino no adeus ao craque Diego Armando Maradona, o laudo da necropsia revela que o craque morreu por insuficiência cardíaca aguda, congestiva e crônica, que gerou edema agudo de pulmão.

Se dentro de campo Maradona foi um grande vencedor, fora das quatro linhas o ex-atleta não mantinha uma vida das mais regradas. Por conta da fama, Maradona nunca escondeu seus problemas com vícios em substâncias químicas. 

A forte dependência de drogas lícitas e ilícitas, como cocaína e álcool, provocou uma miocardiopatia dilatada, quando o músculo do coração perde a força e aumenta de tamanho, gerando o chamado "coração de boi", sem força. 

Foi em 2017 que Maradona resolveu falar mais claramente sobre o seu vício em drogas. Em uma entrevista, o ex-atleta revelou que começou a usar entorpecentes quando jogava no Barcelona, isto é, no começo da década de 1980, e chamou a ocasião de "o maior erro de sua vida".

“Tinha 24 anos quando consumi drogas pela primeira vez, em Barcelona. Foi o maior erro da minha vida. A droga é o maior problema, a droga mata. Me considero privilegiado por falar disso, se tivesse seguido desta forma, a esta idade já haveria morrido”, afirmou o ex-jogador, na época com 56 anos, em entrevista à rádio italiana Mediaset.

Seu envolvimento com as drogas seguiu nas décadas seguintes. Diego chegou, inclusive, a ser flagrado no exame antidoping durante a Copa do Mundo de 1994, pelo uso de cocaína, algo que já havia acontecido quando ele atuou pelo Bari, três anos antes. Após se aposentar, Maradona foi internado em clínicas de reabilitação.

Quando pendurou as chuteiras, Maradona, que também era fã de charutos cubanos, também viveu problemas com seu peso e sempre teve no coração o seu ponto fraco. 

Maradona chegou a ficar internado por alguns dias pouco antes de morrer e teve que passar por uma cirurgia na cabeça por uma dificuldade na pressão sanguínea. Embora o laudo médico não tenha detalhado o motivo da internação, Maradona se recuperou e voltou para casa.

Mas o que mobiliza a multidão que acompanha a cerimônia fúnebre são as lembranças de um homem que, com a bola nos pés, foi um grande campeão. Maradona começou a carreira no Argentinos Juniors e jogou entre 1976 e 1981, quando migrou para o Boca Juniors. Em 1982 foi para o Barcelona e permaneceu na Espanha por dois anos. Depois foi comprado pelo Napoli e viveu seu melhor momento durante sete anos. Jogou ainda por Sevilla, Newell's Old Boys e novamente no Boca Juniors. Foi o grande craque da seleção argentina e campeão do mundo em 1986. Em 1997, Maradona disse adeus aos gramados em seu aniversário de 37 anos

Trajetória de um craque


1960 - Diego Armando nasce em Lanús, Buenos Aires. Em 1976, começa a jogar profissionalmente no Argentinos Juniors.

1979 - Vence sua primeira Copa do Mundo com a seleção sub-20 da Argentina.

1986 - Faz a famosa jogada da "mão de Deus" contra Inglaterra na Copa do México em 86. Argentina vence o torneio.

1997 - Aposenta-se do futebol profissional em seu aniversário de 37 anos.

2000 - Vence o prêmio de Jogador do Século da Fifa, junto a Pelé.

2008 - Vira técnico da seleção argentina, posto que teve por 2 anos; mantém-se como gerente de clubes até sua morte, em 25 de novembro de 2020.