Cristãos querem asilo para menina que foi sequestrada e forçada a se casar com muçulmano

A organização de caridade ‘Ajude a Igreja Que Sofre’, na Inglaterra, solicitou ao primeiro ministro do Reino Unido, Boris Johnson, que o país conceda asilo a uma garota cristã paquistanesa de 14 anos que foi sequestrada durante o lockdown da Covid-19 e forçada a casar e se converter ao Islã por um homem muçulmano de nome Mohamad Nakash.

A organização católica auxilia cristãos perseguidos em todo o mundo e pediu que todos os cristãos assinem uma petição online em favor da pequena Maira Shahbaz, que está no Paquistão. Ela fugiu em agosto, mas a Suprema Corte do país ordenou que ela retornasse para o homem que a raptou, alegando que ela está legalmente casada com ele.

A associação cristã afirmou que a menina corre risco de vida se continuar vivendo no Paquistão:

“Independentemente do que a corte decida, Maira correrá risco de vida para sempre. Existe a ameaça de assassinato de honra. Extremistas paquistaneses a consideram uma apóstata e a matariam na primeira chance que tivessem. O advogado de Maira disse que homens estão procurando por ela nas ruas e perguntando por seu paradeiro.”

Maira contou durante o processo que foi raptada por Nakash e mais dois comparsas e levada para um porão onde foi dopada e estuprada:

“Quando eu recuperei meus sentidos, comecei a gritar e pedi para que eles me libertassem e me deixassem ir. Durante este período, a mãe de Nakash entrou no porão para me dizer ‘você não vai a lugar nenhum e tem que fazer o que nós mandarmos.’”

Ainda segundo a menina, a família de Nakash a obrigou a apoiar seu caso na Suprema Corte do Paquistão:

“Eles me ameaçaram e disseram pra dizer o que eles queriam, ou então eles colocariam fotos e vídeos meus sem roupa na internet. Eles também ameaçaram matar toda a minha família.”

O porta voz da organização Ajude a Igreja Que Sofre informou que a menina está escondida no Paquistão com sua família e reforçou que “este caso chocante é uma chance para o Reino Unido mostrar seu compromisso com o bem-estar dos cristãos no Oriente, que se veem abandonados pelo Ocidente”.



Você também pode assinar a petição clicando aqui.


Siga-nos