Uso de

Grupos de pessoas e empresas estão alterando a gramática portuguesa para se adequar às pessoas que se veem sem gênero determinado. Esta semana, um vídeo voltou a circular nas redes sociais mostrando a embalagem de suco da empresa “Suco do Bem”. Na caixa o slogan diz: “Mais pêssego para todes”. Ao contrário do pronome “todos”, criaram um novo pronome “todes”, quem nem os corretores ortográficos de celular e programas de edição de texto reconhecem.

Ao fazer uma breve busca nas redes sociais da empresa, é possível conferir que a adoção do tal “gênero neutro” acontece há mais de um ano e tem recebido diversas críticas.

No Facebook, a página “Do Bem” publicou em março de 2019 um vídeo de seu suco de uva em que diz: Suco de uva para todes!”

Nos comentários, uma seguidora diz: “TODES? Enlouquecerarm? Então vão vender só para os que acham que ‘todes’ pode fazer sentido acima da gramática. Vão lacrar sozinhos, não vamos mais comprar.”

Outro disse ainda: “Sério... se vocês querem mídia, sejam mais inteligentes... escrever errado demonstra ignorância... Mas ok, parabéns... até eu estou falando dessa asneira de vocês... Mas não esqueçam, nem toda lembrança é boa.”

Vários clientes disseram que deixariam de comprar o suco por conta dos erros gramaticais.

“A empresa deveria se ater à gramática, e não ficar com invencionices e escrever errado. Eu me recuso a comprar algo com erro grosseiro de grafia. Se é modismo, lacração, não me interessa. Empresa demonstra que não tem personalidade, vai na onda, mesmo atentando contra a língua portuguesa. Pode ser pouco, mas aqui em casa, essa marca não entra mais”, reclamou outro.

Gênero neutro em colégio

No início deste mês, o assunto também gerou revolta nas redes sociais. Na página do Liceu Franco Brasileiro no Instagram, uma seguidora escreveu: “uma escola passando por cima da normatividade linguística é de doer”. Outra rebateu: “isso é prova de que a escola tem um projeto de educação aprofundado e está atenta ao que está acontecendo na sociedade e na Língua Portuguesa ”.



Entenda o caso