Caso Carrefour: testemunhas serão investigadas

No assassinato de João Alberto, de 40 anos, nesta sexta-feira (20), em uma loja do Carrefour de Porto Alegre, além da agressão cometida por um segurança e um policial, outra ação, ou falta de ação, que chocou a população foi a tranquilidade com que pessoas filmaram a trágica cena. A delegada Nadine Anflora, chefe da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, afirmou ontem que pediu a prisão preventiva dos dois acusados e que também está ouvindo testemunhas que estavam no local e agiram "passivamente".

"É importante que a população saiba que a Polícia Civil está trabalhando com outros investigados, não apenas esses dois. Tem investigações com pessoas que assistiram a tudo passivamente. Cada participação vai ser apurada de forma rigorosa e rápida", afirmou Nadine, em entrevista à Globonews.

Nadine não quis dizer se as testemunhas vão ser acusadas criminalmente. Mas admitiu que outros crimes podem ter acontecido no local, um deles pode ser o de omissão de socorro. Ela também estipulou um prazo para encerrar as investigações.

"Queremos concluir o inquérito em 10 dias, através da reinquirição de outras testemunhas. E então queremos levar ao Poder Judiciário um material de provas, para que esses agressores sejam punidos", explicou Nadine.

A delegada lamentou que o espancamento tenha ocorrido na véspera do Dia da Consciência Negra.

"Essa investigação não tem preferência a outras. Mas é importante que se tenha rápida elucidação, porque é um caso emblemático. É um caso que demonstra falta de empatia das pessoas. Tem que ficar o alerta. É muito triste ter que relatar essa agressão e essa falta de empatia na sociedade, logo no dia de hoje (20), Dia da Consciência Negra", concluiu a delegada.

Os dois suspeitos de homicídio podem pegar mais de 30 anos de prisão, segundo a delegada, mas "tudo vai depender das análises de outras imagens", segundo ela. A Polícia Civil destacou que o supermercado Carrefour disse que vai colaborar com a investigação, cedendo imagens e informações para elucidar o caso.