China: Polícia invade culto, prende fiéis e confisca Bíblias A situação dos cristãos na China é cada vez mais preocupante. A liberdade de culto já não existe no país liderado pelo Partido Comunista e quem “insiste” em adorar a Deus é duramente repreendido. Recentemente, a cerimônia de plantação de uma igreja da “Early Rain Covenant Church” foi invadida por autoridades de Taiyuan, província de Shanxi, que então detiveram o pastor e seis outros membros.

O órgão de vigilância da perseguição “International Christian Concern” relata que no domingo, 15 de novembro, funcionários do departamento de segurança pública, escritório de assuntos étnicos e religiosos, ministério de assuntos civis e delegacia de polícia invadiram a Igreja de Xuncheng durante seu culto matinal.

O comandante da segurança pública confiscou o telefone celular do pastor presidente antes de exigir que o irmão Zhang Chenghao fosse com eles.

Após o serviço, o comandante e a equipe do escritório de assuntos étnicos e religiosos questionaram as qualificações do pastor An Yankui, perguntando se suas credenciais foram aprovadas pelo estado e se sua reunião foi registrada pelo governo.

Embora eles não tenham fornecido um mandado de prisão, as autoridades levaram o pastor. Em seguida, eles postaram o aviso de dissolução na porta da igreja doméstica, impediram as pessoas de registrar o incidente e confiscaram os telefones celulares dos membros. Eles também registraram as informações pessoais de todos e confiscaram Bíblias, hinários e mantos do coral.

A polícia interrogou os cristãos e tentou “enganá-los para que revelassem informações desfavoráveis ​​sobre sua igreja”, de acordo com o ICC. As autoridades então transferiram os crentes para outro local. Lá, eles foram convidados a vestir os uniformes da prisão e algemados em uma sala de detenção.

Depois de várias horas, os cristãos foram autorizados a colocar suas roupas novamente e cada um precisou fornecer uma declaração até que foram liberados.

De acordo com a China Aid, a Igreja Xuncheng foi plantada pela Igreja Early Rain Covenant em Chengdu, uma das maiores igrejas não registradas da China. An Yankui, um dos pastores da Igreja Xuncheng, formou-se no seminário fundado pelo ERCC e está sob a influência da teologia reformada e do Pastor Wang Yi do ERCC, que foi condenado a nove anos de prisão por seu trabalho ministerial.

Embora as autoridades tenham fechado o ERCC em 2018 e prendido seu pastor e outros líderes, os membros da igreja continuaram enfrentando perseguições.

Gina Goh, gerente regional do ICC para o Sudeste Asiático, disse que em um momento em que a religião na China tem que se submeter ao controle do Partido Comunista Chinês e do Presidente Xi Jinping, “não é mais uma surpresa que uma igreja doméstica seja vista como um inimigo do estado e reprimido. ”

“A cegueira da China em relação à violação da liberdade religiosa precisa ser continuamente exposta para que Pequim saiba que não pode se safar cometendo esses atos malignos”, disse Goh.

A repressão da China ao Cristianismo e outras religiões que ela vê como "ameaças" ao estado está bem documentada.

Nos últimos anos, numerosos relatórios surgiram de autoridades chinesas substituindo cruzes pela bandeira do Partido Comunista Chinês e imagens de Jesus Cristo por fotos do Presidente Xi, além de converter igrejas em edifícios para atividades políticas.

O PCCh também tem pressionado cada vez mais os líderes da igreja a infundir ideologia política em seus sermões. Além disso, os censores começaram a remover as palavras “Cristo” e “Jesus” de algumas publicações, incluindo nas redes sociais chinesas.

No início deste mês, as autoridades invadiram uma comunidade católica clandestina na província de Hebei e prenderam dois padres e pelo menos uma dúzia de seminaristas e freiras cujo paradeiro permanece desconhecido.

De acordo com um relatório de novembro do Pew Research Center, as restrições à religião na China atingiram um nível recorde. Os pesquisadores descobriram que a China continua a ter “a pontuação mais alta no Índice de Restrições do Governo de todos os 198 países e territórios no estudo”.

A China também foi rotulada pelo Departamento de Estado dos EUA como um "país de preocupação especial" por "continuar a se envolver em violações particularmente graves da liberdade religiosa".

O país está classificado em 27º na lista de países onde é mais difícil ser cristão da organização Portas Abertas, dos EUA.