Na busca por sucesso no Instagram, pessoas confundem lixão tóxico com lago paradisíaco A busca alucinada por visibilidade nas redes sociais tem feito com que milhares de pessoas coloquem em risco a própria vida. Para os chamados “instagramers” vale tudo por um like que ajude-os a virar celebridade virtual. Depois do caso dos influencers posando em fotos engraçadinhas em Chernobyl, temos agora mais uma situação que nos faz questionar os limites dos influenciadores digitais. A terceira maior cidade da Rússia, Novosibirsk, começou a receber uma enorme quantidade de turistas querendo tirar uma foto no "lago azul turquesa". O problema é que o local não é um lago e, muito menos, é seguro.

O suposto lago na verdade é uma barragem, onde uma usina termoelétrica joga dejetos tóxicos, entre eles, cinzas de carvão queimado. A água, inclusive, só tem essa coloração por causa de uma reação química entre os compostos descartados. A usina é responsável por abastecer toda a cidade de Novosibirsk, que tem cerca de 1,6 milhão de habitantes.

Uma rápida busca pela localização no Instagram revela fotos de casais em pranchas de stand-up, um jovem em uma boia de unicórnio e muitas pessoas de biquíni na beira da represa. A empresa elétrica Siberian Generating Company, já alertou que o contato com a água pode gerar reações alérgicas e o seu fundo pantanoso pode prender algum nadador menos preparado, contribuindo para um afogamento. A termoelétrica negou que exista radiação no local.

Segundo alguns visitantes, o lixão cheira a detergente e as chaminés da Siberian Generating Company podem ser vistas de longe. A fábrica e o governo parecem não acreditar no sucesso do local, que ganhou até mesmo o apelido de "Maldivas siberianas", em referência às paradisíacas Ilhas Maldivas, e já conta com um perfil próprio no Instagram.

Por essa razão, a administração decidiu fechar a estrada que leva até o lixão tóxico. "Isto não é uma praia", advertiram em nota. É preciso muito cuidado para não virar meme.