Bolsonaro pede democratização da governança internacional em cúpula do Brics

O presidente Jair Bolsonaro discursou hoje (17) na XII Cúpula do Brics, o grupo de países emergente que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Em evento que ocorre de maneira virtual, o chanceler brasileiro apontou como necessidade reformas nas entidades internacionais como a OMS (Organização Mundial da Saúde) e OMC (Organização Mundial do Comércio).

Bolsonaro também criticou a gestão da pandemia da Covid-19 por parte da OMS: “Desde o início também critiquei a politização do vírus e o pretenso monopólio do conhecimento por parte da OMS que necessita, urgentemente, sim, de reformas” – disse.

Ainda sobre a pandemia, Bolsonaro parabenizou as instituições e profissionais de saúde nacionais pelo enfrentamento ao cenário: "No Brasil, foram as instituições nacionais e os dedicados profissionais da área médica, de enfermagem e farmacêutica que responderam aos desafios e combateram o vírus”.

Conselho de Segurança da ONU

Bolsonaro também comentou a antiga discussão sobre a democratização do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas). Hoje, só cinco países são membros permanentes e dez são rotativos. Estados Unidos, Reino Unido, China, Rússia e França são os únicos com poder de veto no conselho. O presidente defendeu uma maior abertura do órgão, que tem como objetivo manter a paz e a segurança internacionais:

"Assim como o Brics alcança consensos e manifesta opiniões comuns em diversos temas, também é preciso que o Brics se coordene para atuar as legítimas aspirações de Brasil, Índia e África do Sul a assentos permanentes no conselho de segurança" – defendeu Bolsonaro.

Soberania nacional

O presidente também abordou a soberania nacional do Brasil na questão da preservação da Amazônia. Bolsonaro afirmou que vai divulgar uma lista de países que importam madeira ilegal da floresta, graças a um método de rastreamento desenvolvido pela Polícia Federal:

“Revelaremos nos próximos dias os nomes dos países que têm importado essa madeira ilegal da Amazônia, e mostraremos que alguns desses são os mais severos críticos do meu governo no tocante da Amazônia. Acredito que depois dessa manifestação, essa prática diminuirá e muito nessa região”.

Brics

Criado em 2006, o Brics reúne um grupo de países emergentes que representam quase metade da população mundial. São eles Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, que entrou no bloco em 2011. Neste ano, a cúpula foi aberta por Vladimir Putin, presidente da Rússia. A reunião virtual é marcada pelo avanço no desenvolvimento das vacinas contra a Covid-19, com iniciativas da própria Rússia e da China já em estágio avançado de testes.